Transporte rodoviário de passageiros projeta colapso do setor em junho

Transporte rodoviário de passageiros projeta colapso do setor em junho

5 de maio de 2020
Tales Silveira, da Agência iNFRA

O transporte rodoviário de passageiros no Brasil entrará em colapso a partir de junho. Foi o que afirmou, na última quarta-feira (29), o secretário-geral da Anatrip (Associação Nacional das Empresas de Transporte Rodoviário de Passageiro), Luiz Cláudio Varejão.

Em conversa realizada com a Agência iNFRA, Varejão afirmou que a MP (Medida Provisória) 944/2020 foi importante para o setor. Essa é a MP que permite redução da jornada e salário dos trabalhadores. Porém, por salvar somente a folha salarial das empresas, a medida não atende outras demandas como manutenção e financiamento de ônibus, além de gastos operacionais das empresas.

“A medida provisória deu um fôlego de três meses, mas já sabemos que daqui a 60 dias isso vai acabar. Não temos horizonte para daqui a dois meses. Também temos outros gastos além da folha salarial e entendemos que precisamos de uma resposta o mais rápido possível. Podemos esperar mais um mês, ou iremos entrar em colapso”, relatou.

A “resposta” a que Varejão se refere é em relação a um ofício enviado, no dia 24 de abril, pela associação a representantes do Executivo e do Legislativo. Nele, as empresas pedem um modelo de financiamento semelhante ao que vem sendo desenhado para as empresas do setor aéreo.

“Sabemos que somos o primo pobre e entendemos que podemos ter algo dentro da nossa realidade. Seria uma linha de financiamento com juros subsidiados pelos próximos seis meses pelo BNDES, que poderíamos pagar em até 72 meses. Claro que esses prazos podem ser conversados. Mas isso traria condições para a gente voltar ao mercado”, comentou.

Estudo divulgado pela ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) apontou que o volume de passageiros transportados em março diminuiu 37,99% em comparação ao ano anterior. O relatório está neste link.

Leia também:  ANTT dará prazo de 30 dias para adaptação de concessionárias de rodovias antes da volta da pesagem de veículos

Segundo o levantamento, realizado de 1º de março a 23 de abril, a movimentação em abril deverá apontar uma queda maior. Para se ter ideia, no comparativo entre abril e março, a movimentação de passageiros na semana do dia 12 ao 18 mostrou queda de 89,47% em relação à média das duas primeiras semanas de março.

De acordo com o secretário-geral da Anatrip, a queda de março era esperada pelo setor. Porém, a série de decretos estaduais diminuirá em 90% a movimentação de passageiros para os próximos meses.

“Estávamos com uma perspectiva de queda de 40% e achávamos que, na pior fase, chegaríamos a 60%. Mas o problema é que, dias depois, tivemos os estados suspendendo seu transporte interestadual. Isso fez com que, em abril, tivéssemos uma diminuição de 90% em nossa movimentação. Maio também seguirá nessa linha”, explicou.

Transporte de carga se estabiliza 
Enquanto o transporte rodoviário de passageiros parece definhar, o transporte rodoviário de cargas começa a estabilizar. Segundo levantamento feito nos últimos sete dias pela NTC&Logística (Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística), a variação geral teve retração de 44,84% no volume de cargas movimentadas informado pelos agentes em relação a antes da pandemia. A média das últimas três semanas era queda de 45,3%.

Em nota, o presidente da NTC&Logística, Francisco Pelucio, informou que a tendência, nas próximas semanas, já seja uma melhora do volume de cargas transportadas.

“Pela primeira vez, após seis semanas de acompanhando diário do impacto desta pandemia no setor, conseguimos ver uma retração pequena, e acredito que a tendência é estabilizar e começar a melhorar. Não podemos deixar de lado que para alguns segmentos será mais difícil a recuperação, mas com a retomada das atividades e com os devidos cuidados para mantermos a saúde de todos, conseguiremos sair o mais rápido possível desta crise”, explicou.

Leia também:  Relicitação da Dutra deve sair nesta semana com previsão de até 15% de desconto no teto do pedágio