Setor elétrico recebe com otimismo indicação de Marisete Dadald para secretaria-executiva

Setor elétrico recebe com otimismo indicação de Marisete Dadald para secretaria-executiva

29 de dezembro de 2018

 

Leila Coimbra, da Agência iNFRA

Marisete Dadald, chefe da assessoria econômica do Ministério de Minas e Energia, é a futura secretária-executiva da pasta. A indicação foi confirmada pela assessoria do futuro ministro, Bento Lima Albuquerque. Marisete já frequenta compromissos oficiais do cargo, como o curso de capacitação e gestão pública na Enap (Escola Nacional de Administração Pública).

Bruno Eustáquio, diretor do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos), será o secretário-executivo adjunto do MME; enquanto Flavio Basílio, que atualmente ocupa o cargo de secretário nacional de Segurança Pública, assumirá a vaga de Marisete na chefia de assuntos econômicos da pasta.

A indicação de Marisete foi bem recebida pelo setor elétrico. Os agentes afirmaram que a assessora econômica possui conhecimento dos mecanismos da máquina estatal, entende da regulação e da operação da área de energia. Leia a seguir os comentários:

“Marisete atua na equipe do Ministério de Minas e Energia há longa data, possui trânsito extraordinário com os diversos players do setor energético, além de ter profundo conhecimento dos desafios atuais. Seu talento, capacidade e valor contribuiu de maneira relevante para solucionar processos importantes daquela pasta. Avalio sua indicação como reconhecimento à sua trajetória profissional. Parabenizo o ministro pela escolha técnica que exerceu.”
André Pepitone, diretor-geral da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica)

“Ela conhece o funcionamento da burocracia governamental, entende as relações do Ministério de Minas e Energia com outras instituições como TCU (Tribunal de Contas da União), por exemplo. Ela construiu relações sólidas no setor, tem experiência, e é conhecida pelo mercado. Tem tudo para construir um bom time, e é uma boa parceria ter o Bruno Eustáquio como o seu adjunto”.
Edson Luiz da Silva, diretor da Engie e presidente do conselho da Apine (Associação dos Produtores Independentes de Energia).

Leia também:  Setor comemora aprovação do PL do GSF na CAE; matéria segue ao plenário do Senado

“Excelente escolha profissional. Marisete possui muita experiência e tem tudo para realizar um ótimo trabalho. Poderá fazer as mudanças que tanto o setor elétrico como o de petróleo e gás necessitam para que o Brasil entre num novo ciclo virtuoso. Parabéns ao novo ministro pela escolha, tanto da Marisete como do Bruno Eustáquio”.
Adriano Pires, diretor do CBIE (Centro Brasileiro de Infraestrutura)

“Sábia e segura escolha do novo ministro. Marisete é uma rara combinação de experiência, competência, e conhecimento da máquina governamental”.
Elbia Gannoum, presidente da Abeeólica (Associação Brasileira de Energia Eólica)

“É uma escolha excelente. Marisete é técnica e extremamente competente, conhece todo o mecanismo do setor. Também tem o conhecimento de como funciona o planejamento, a operação e a regulação. Além disso, conhece também a área de óleo e gás. É uma pessoa séria e trabalhadora. Acho que uma escolha melhor é impossível”.
Xisto Vieira, presidente da Abraget (Associação Brasileira de Geradoras Termelétricas)

“Uma profissional experiente, competente e dedicada ao setor. Foi uma boa escolha!”
Marco Delgado, diretor da Abradee (Associação Brasileira das Distribuidoras de Energia Elétrica)

“Ela conhece muito bem o Ministério de Minas e Energia e é do setor, uma pessoa que poderá ajudar muito nessa coordenação que será muito necessária na pasta. Tradicionalmente quem faz a coordenação é a figura do secretário-executivo. Ela é uma pessoa focada e que o mercado conhece. Acho que ela deverá construir um diálogo com os agentes e isso é muito positivo”
Luiz Fernando Vianna, presidente da Delta Energia Asset Management e ex-presidente de Itaipu

“É uma boa indicação. É profissional, muito trabalhadora, dedicada e familiarizada com o setor elétrico, seus desafios e necessidades de aperfeiçoamento”.
Luiz Augusto Barroso, presidente da PSR e ex-presidente da EPE (Empresa de Pesquisa Energética).

Leia também:  Crise derruba o preço do GNL e pode favorecer a geração termelétrica no Brasil