Proposta prevê junção de Valec e EPL em 18 meses, com possibilidade de incluir Infraero no futuro

Proposta prevê junção de Valec e EPL em 18 meses, com possibilidade de incluir Infraero no futuro

13 de julho de 2020

Dimmi Amora, da Agência iNFRA

A junção das estatais Valec e EPL (Empresa de Planejamento e Logística), ambas do Ministério da Infraestrutura, está planejada para ocorrer em 18 meses e a intenção é transformar a nova empresa, denominada provisoriamente de Infraestrutura de Transportes S.A. (Infra SA), em uma empresa com “menor dependência de recursos públicos” e com mecanismos para se financiar.

As informações constam em proposta apresentada pelo MBC (Movimento Brasil Competitivo), que está em processo para firmar um acordo de cooperação com o ministério para apoiar a estruturação da junção das duas estatais. 

A proposta, que é de abril de 2020, previa também que a Infraero pudesse ser parte dessa nova empresa, mas a ideia foi posteriormente descartada, pelo ministro Tarcísio de Freitas, para o atual momento. O processo de união será apenas com as estatais de ferrovia e planejamento.

A proposta informa que a Accenture do Brasil será a parceira escolhida pelo MBC para trabalhar no projeto e que ficará a cargo da entidade, que presta serviços de consultoria a governos por meio de convênios de cooperação, captar os recursos estimados em R$ 4 milhões no mercado privado para realizar essa ação.

O estudo apresentado, que até o momento está baseando as conversas no ministério sobre o tema, faz um diagnóstico da situação atual da pasta e aponta para a necessidade de juntar as duas empresas como forma de colaborar no cumprimento das metas de ampliação dos investimentos no setor.

No diagnóstico, é apontado que as duas estatais seguem dependentes do governo, com orçamentos na casa dos R$ 1,4 bilhão (2017). A Valec tem 606 empregados e a EPL, 143. Há poucos dados sobre as companhias no levantamento, que aponta o desbalanço de recursos humanos e a cultura organizacional de baixa integração como um dos desafios a serem superados.

Leia também:  iNFRADebate: Privatizações, dinamismo nos portos e OGMO

A proposta direciona a empresa para a área de estruturação de projetos, informando que o país está no “momento da transição entre o modelo focado em construtoras e financiamento público subsidiado, para o modelo correspondente àquele que ocorre em países desenvolvidos [aberto a mais players privados]”, e aponta que será necessário reduzir a percepção de risco de outros tipos de investidores com estudos de qualidade, o que seria o foco da nova companhia.

Atuações da Infra SA
São elencados seis tipos de possíveis atuações da nova companhia:

“A. Estudo e concepção de oportunidades de investimentos, com a construção de um pipeline de projetos nas 3 esferas da administração pública; 
B. Estruturação de projetos, com o desenvolvimento de projetos complexos junto a entes que não possuem capacidade técnica e para os quais não há interesse do mercado em apresentar projetos de PMI ou MIP; 
C. Investimentos nas modalidades de Seed e Venture Capital, com a implementação de projetos indutores ou de alto risco com a venda de participação nos estágios maduros; 
D. Desenvolvimento de pesquisas e análises especializadas; 
E. Consultoria e transferência de conhecimento;
F. Tecnologias e serviços.”

O trabalho também indica necessidade de a empresa ser sustentável, com “menor dependência de recursos públicos”, valendo-se de mecanismos para se financiar. 

Cita entre eles fundos de investimento em infraestrutura, abertura de capital (OPA), obtenção de remuneração paga pelos concessionários de projetos de infraestrutura licitados e estruturados com seu auxílio, compra e venda de operações, consultoria e base analítica de informações, parcerias e financiamentos com bancos multilaterais e bancos de desenvolvimento. 

A proposta lista que a secretária de Fomento, Planejamento e Parcerias do ministério, Natália Marcassa, seria a líder do projeto pelo lado público. Também estariam entre os representantes do setor público Rafael Magalhães Furtado, diretor de Desenvolvimento da Infraestrutura da EPL, e Mateus Szwarcwing, assessor especial do ministério. 

Após o envio desse documento, a proposta de acordo de cooperação recebeu da consultoria jurídica da pasta parecer positivo pelo prosseguimento. No entanto, devido à pandemia, não foi ainda fechado esse termo de cooperação.

Leia também:  Ministério da Infraestrutura cria grupo de trabalho para apoiar DNIT com gestão de atribuições da RFFSA

No momento, as reuniões estão mais concentradas com o ministério da Economia, que tem demonstrado apoio ao projeto, principalmente na tentativa de definir qual a melhor modelagem jurídica para executar a junção dessas duas companhias, segundo apurou a Agência iNFRA. A depender da escolha da modelagem, os 18 meses podem ser encurtados ou alongados, na avaliação de um técnico que trabalha no projeto. O trabalho está disponível neste link.