Novo modelo de escoamento do Porto de Paranaguá prevê aumento de fluxo e poderá impactar frete

Novo modelo de escoamento do Porto de Paranaguá prevê aumento de fluxo e poderá impactar frete

1 de agosto de 2019
Tales Silveira, da Agência iNFRA

A administração dos Portos do Paraná desenvolveu um projeto em parceria com a empresa Rumo para melhorar e gerar novas alternativas ao sistema ferroviário no Porto de Paranaguá (PR). A ideia é criar um novo modelo de gestão e concentração para potencializar a descarga dos granéis sólidos desembocados no porto, que exporta aproximadamente 18 milhões de toneladas por ano.

O projeto, apresentado na reunião mensal da ATEXP (Associação dos Terminais do Corredor de Exportação de Paranaguá), ainda está em fase de discussões e prevê benefícios tanto para toda a cadeia logística do porto, que engloba principalmente velocidade, escoamento e gestão, quanto para a concessão ferroviária.

Agência iNFRA conversou com o diretor de engenharia de manutenção da Portos do Paraná, Rogério Barzellay, que explicou que o maior ganho do novo modelo será a construção de uma moega (instalação para receber e destinar graneis sólidos às correias transportadoras) exclusiva para a descarga dos trens no Corredor de Exportação do Porto de Paranaguá. “A ideia é que tenhamos uma capacidade de descarga mais estruturada dos vagões, o que nos dará maior capacidade de escoamento.”

Segundo Barzellay, em princípio, seriam três linhas independentes de correias transportadoras, o que traria maior capacidade de atendimento por parte do porto. “Cada linha teria a capacidade independente de receber mais de 50 vagões. Isso irá acelerar muito a entrega e o armazenamento dos produtos.”

No projeto, as correias estariam conectadas aos terminais arrendados pela Portos do Paraná: Cargill, Centro Sul, Dreyfus, Cotriguaçu e Interalli.

Ainda segundo o diretor, apesar do aumento do escoamento e da melhoria na gestão da malha ferroviária, o projeto pode trazer impacto no frete do transporte. “Esse é um projeto de cunho privado e sem gastos para o estado. Isso poderá influenciar no frete dos produtos, uma vez que é necessário custear esses novos gastos.”

Leia também:  Disputa sobre área para nova pera ferroviária em Santos se expande por tribunais de Brasília

Porém, esse aumento do frete seria temporário, uma vez que teria como finalidade ressarcir os gastos com a modernização da nova modalidade de escoamento. “O novo modelo está em fase embrionária e tem sim uma previsão de gastos. Porém eles são finitos e, à princípio, serão repassados por um prazo determinado”, disse Barzellay.

O novo modelo apresentado ainda deverá passar pelo crivo da ATEXP e ainda não tem previsão de entrega.

Redução de interferências
Outro benefício trazido pelo projeto será a redução nas interferências entre as rodovias e as ferrovias. De acordo com gerente-executivo da área de projetos estratégicos da Rumo, Cristiano Donati, os atuais 16 cruzamentos rodoferroviários serão reduzidos a cinco. “Nessas interferências há várias composições, ao longo do dia, com trens menores. O que significa mais interrupções, mais perturbações no tráfego.”

Para complementar o projeto da concentração da descarga, Donati afirmou que a Rumo se comprometeu a contribuir com investimentos em modernização da frota de vagões e das locomotivas, além de capacitação da ferrovia. “A intenção é ter trens maiores. Teremos menos vagões, com mais capacidade e velocidade. Ou seja, uma redução de tempo e do número de vezes que o trem passa por essas interferências.”