MP para mudar fundos sai nesta semana, diz assessora especial do MDR

MP para mudar fundos sai nesta semana, diz assessora especial do MDR

9 de dezembro de 2020

da Agência iNFRA

A chefe da Assessoria Especial do MDR (Ministério do Desenvolvimento Regional), Veronica Sanchez, anunciou que, “nos próximos dias”, o governo federal editará medidas provisórias permitindo renegociações com o Finam (Fundo de Investimento da Amazônia) e com o Finor (Fundo de Investimentos do Nordeste).

A fala ocorreu durante sua apresentação no Abdib Fórum 2020 – Experience, na última sexta-feira (4), em que dividiu a mesa com os governadores do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, e de Minas Gerais, Romeu Zema.

“São fundos antigos, da década de 1960, que tiveram uma série de problemas e estamos praticamente liquidando-os, permitindo uma renegociação desses fundos. E, no caso dos fundos constitucionais, também [com] a possibilidade de renegociação das dívidas, algo em torno de R$ 9 bilhões daqueles que contraíram obrigações junto aos fundos”, revelou a assessora.

Segundo ela, a intenção do ministério é fazer mudanças que possam permitir a esses fundos se transformarem em financiadores de estudos para projetos de parceria com a iniciativa privada de estados e municípios no país.

A falta de recursos dos entes subnacionais foi tema da fala dos dois governadores. Zema chegou a brincar perguntando se havia sido coincidência a organização ter levado “os dois governadores mais falidos do país”. Os dois apresentaram suas carteiras de projetos de infraestrutura que estão sendo feitos em parceria com a iniciativa privada e também ações que foram adotadas para tentar conter gastos e aumentar o investimento público.

Sanchez concordou com a avaliação exposta pelos dois governadores de que será necessário buscar cada vez mais alternativas privadas para prover a infraestrutura e prestar os serviços demandados pela população. A plataforma onde estão as apresentações pode ser acessada neste link.

Leia também:  Investimentos em infraestrutura ainda têm "gap", mesmo com mais participação privada