Leilão de linhas de transmissão tem o maior deságio médio da história, de 60,3%

Leilão de linhas de transmissão tem o maior deságio médio da história, de 60,3%

23 de dezembro de 2019
Lucas Santin, da Agência iNFRA

O leilão de linhas de transmissão de energia realizado na última quinta-feira (19) teve deságio médio de 60,3%. Foi o maior índice registrado em leilões da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) no segmento. Foram vendidos 12 lotes, com 2.470 km de linhas e expectativa de investimentos em cerca de R$ 4,2 bilhões. Leia aqui a tabela completa.

A empresa CTEEP (Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista), controlada pelo grupo colombiano ISA, foi a maior vencedora, arrematando três lotes. Também foi da CTEEP o maior deságio: no lote 6, de 68,12% e RAP (Receita Anual Permitida) de R$ 5,31 milhões, para uma linha entre os estados de Mato Grosso do Sul e São Paulo.

O grupo colombiano também adquiriu o lote 1, de empreendimentos no Rio Grande do Sul, com RAP de R$ 37,74 milhões, isto é, 66,85% menor que o teto estabelecido; e o lote 7, em Minas Gerais, com deságio de 65,40% e receita de R$ 32,88 milhões.

O consórcio VSF Transmissoras também se destacou: comprou dois lotes. Ao arrematar o lote 5, com empreendimentos em Mato Grosso e no Pará, o deságio proposto foi de 62,51% e a RAP, R$ 38 milhões. No lote 12, composto por estruturas de transmissão na Bahia, o deságio foi de 59,62%, com receita de R$ 12,20 milhões. O último lote do leilão foi o mais disputado, com 22 lances e metade deles em viva voz.

A empresa Neoenergia, vencedora do lote 9, ofereceu deságio de 64,04%. O lance vencedor dos empreendimentos, em Goiás e na Bahia, foi de R$ 18 milhões. Outro lote em solo baiano, o décimo do leilão, foi arrematado pela Barolo Participações com deságio de 58,35%. A RAP oferecida foi de R$ 37,06 milhões.

Leia também:  Reequilíbrio de contrato de elétricas não pode ocorrer por regra geral, diz secretário do TCU

O lote 2 do certame foi arrematado pela Montagno Construtora. Esta ofereceu uma RAP de R$ 5,38 milhões, valor 56,73% menor que o teto, para obras na Bahia. A terceira área leiloada, com instalações no Rio de Janeiro e em Minas Gerais, foi adquirida pela Zopone Engenharia. Aqui, o deságio foi de 53,5% e a RAP, R$ 30,21 milhões.

O consórcio Norte arrematou o lote 11, de empreendimentos no Acre. A receita oferecida foi de R$ 58,1 milhões, que representa diferença de 52,85% para o valor máximo. O menor deságio do leilão foi de 50,93%, no lote 4. Estas obras, no estado de Alagoas, serão feitas pelo consórcio Nordeste, com RAP de R$ 2,88 milhões.

Leilão “extremamente exitoso”
O diretor-geral da ANEEL, André Pepitone, disse que o leilão foi “extremamente exitoso”. Ele destacou a grande concorrência nos lotes e os altos níveis de deságio, alegando que isso vai ajudar na queda das tarifas.

O diretor Rodrigo Limp, relator do processo sobre o leilão na agência, lembrou que o lote 11 interligará o município acreano Cruzeiro do Sul ao sistema nacional, possibilitando o desligamento de térmicas a diesel.

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, também comemorou o leilão. O saldo positivo do ano, afirmou, foi materializado pelo resultado obtido. “Era aquilo que se pretendia alcançar, e alcançamos”, disse Bento.