Governo tenta impedir instalação de CPI do Apagão no Senado

Governo tenta impedir instalação de CPI do Apagão no Senado

27 de novembro de 2020

Leila Coimbra, da Agência iNFRA

O MME (Ministério de Minas e Energia) e a ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) tentam impedir no Senado a instalação da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) do Apagão no Amapá. 
 
O líder do governo na Casa, senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), já está trabalhando para colocar a base governista na desarticulação da arregimentação do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) pelas 27 assinaturas necessárias para que seja criada a comissão. Até esta quarta-feira (25), o Randolfe tinha 15 nomes na lista.
 
“Pretendo conseguir as assinaturas necessárias para a criação da CPI o mais breve possível. Queremos a investigação desse incidente e que os culpados sejam identificados”, disse o senador à Agência iNFRA. Confira abaixo a lista de assinaturas:
 
1.         Leila Barros (PSB-DF)
2.         Reguffe (Podemos-DF)
3.         Lucas Barreto (PSD-AP)
4.         Telmário Motta (PROS-RR)
5.         Esperidião Amin (PP-SC)
6.         Mecias de Jesus (Republicanos-RR)
7.         Paulo Paim (PT-RS)
8.         Eliziane Gama (Cidadania-MA)
9.         Lasier Martins (Podemos-RS)
10.       Fabiano Contarato (Rede-ES)
11.       Jorge Kajuru (Cidadania-GO)
12.       Alvaro Dias (Podemos-PR)
13.       Soraya Thronicke (PSL-MS)
14.       Plínio Valério (PSDB-AM)
15.       Major Olímpio (PSL-SP)
 
Dificuldades
Na avaliação de lideranças do Senado, será difícil a abertura de uma CPI neste ano, com o cronograma apertado após as eleições municipais, e o sistema de votações remotas por conta da pandemia de Covid-19, além de uma agenda cheia.
 
Mas existe a possibilidade pela pressão política por parte do presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), avaliou um político experiente, para que haja a demonstração de que os senadores não estão parados após o caos que se instalou no Amapá com o apagão.
 
No requerimento protocolado por Randolfe para a abertura da CPI, há o pedido de investigação de responsabilidades da União, do Ministério de Minas e Energia, da ANEEL e do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), além das empresas LMTE (Linhas de Macapá Transmissora de Energia), Isolux e Gemini Energy.
 
Também há um movimento de pedido de CPI na Câmara dos Deputados. O líder do Republicanos na Câmara, deputado Jhonatan de Jesus (RR), e a deputada Aline Gurgel (Republicanos-AP) iniciaram, na terça-feira (24), o recolhimento de assinaturas para a criação de uma comissão de inquérito nos mesmos moldes da que pode surgir no Senado.

Leia também:  ANEEL e ANP abrem consultas públicas sobre energia e combustíveis