Estudo aponta que 76% das indústrias que usam rodovias no transporte mudariam para ferrovia

Estudo aponta que 76% das indústrias que usam rodovias no transporte mudariam para ferrovia

20 de outubro de 2022

Jenifer Ribeiro, da Agência iNFRA

Dentre as indústrias que usam a rodovia para o escoamento de produção e que estão dispostas a trocarem de modal de transporte, 76% migrariam para o modal ferroviário, indica o estudo “Infraestrutura: Demandas e prioridades dos empresários”, realizado pela CNI (Confederação Nacional da Indústria). O levantamento foi produzido em agosto deste ano pelo Instituto FSB Pesquisa.

Entre todas as respondentes, as ferrovias também seriam a primeira alternativa para fazer a transferência das operações de transporte caso as condições fossem iguais. Optariam por esse modal 28,5% das indústrias. No entanto, atualmente somente 6% das empresas usam ferrovias para transporte de produção. A ferrovia é a pior avaliada: 31% consideram esse meio como ruim ou péssimo.

Redução de custos
O documento mostra ainda que, atualmente, 99% das empresas consultadas usam em algum momento o modal rodoviário para o transporte da produção, e 38% delas mudariam de meio de transporte se as condições estruturais dos modais na região fossem iguais.

Entre os motivos listados para a mudança, a redução de custo foi o mais mencionado (64%), seguido pela maior agilidade/rapidez na entrega (16%) e a maior segurança no transporte (5%). O custo elevado também foi mencionado no estudo na pergunta sobre os principais problemas na logística e operação. O custo foi um obstáculo mencionado por 46% dos empresários da indústria.

Os respondentes dizem também que o custo do transporte e logística da empresa aumentou muito nos últimos quatro anos: 80% acham isso e 84% apontam que os custos com transporte estão altos ou muito altos. O gerente de Transporte e Mobilidade Urbana da CNI, Matheus de Castro, diz que “se tivéssemos mais oferta na parte da logística, o custo total do transporte para a indústria seria muito inferior” e completa afirmando que “o Brasil tem potencial para o transporte de cabotagem, hidroviário e ferroviário”.

Gargalos
No setor de infraestrutura, o maior gargalo para a indústria é o transporte, resposta de 73% dos entrevistados. Setores como energia (13%), saneamento (6%) e telecomunicações (5%) também foram mencionados. Os empresários apontam que obras de ampliação/duplicação de rodovias (25%), melhora da infraestrutura das estradas (24%) e o aumento da malha ferroviária (13%) seriam soluções eficientes para melhorar o contexto da indústria.

Além disso, responderam que as principais obras para melhorar o escoamento da produção das indústrias estão ligadas a novas autorizações ferroviárias, a conclusão das obras da Ferrovia Norte-Sul e a concessões portuárias, rodoviárias e aeroportuárias.

Condições dos transportes
A avaliação dos industriais dos principais serviços de infraestrutura de transportes não foi negativa, tendo em vista que o setor é considerado como o maior gargalo para as empresas. As condições do setor aéreo foram consideradas ótimas ou boas por 56% dos respondentes; 46% avaliam o transporte por rodovias como ótimo ou bom; esse percentual é de 39% para o setor portuário; e de 16% para o transporte por ferrovias e hidrovias.  

Nesse mesmo sentido, as empresas entenderam que as condições de infraestrutura na região em que operam ficaram iguais. Esse índice é de 39% para os transportes por hidrovias e ferrovias; de 38% para o setor rodoviário e aéreo; e de 37% para o modal portuário.