Estradas brasileiras registraram 285 mil roubos de cargas em 20 anos

Estradas brasileiras registraram 285 mil roubos de cargas em 20 anos

25 de julho de 2018
Cláudia Borges, da Agência iNFRA

 

roubo de cargas nas estradas do país já causou prejuízos de R$ 16,3 bilhões, ao longo de 20 anos, com 285 mil ocorrências registradas no período. Os números alarmantes quase triplicaram nesse período, passando de 10.950 para 25.970 ocorrências de 1998 a 2017, aumentando os custos para empresas e clientes. Somente no ano passado, os gastos com roubos chegaram a quase R$ 1,6 bilhão, segundo dados da NTC&Logística, associação que reúne transportadores de carga por rodovias.

Principais alvos
A região Sudeste foi a campeã em ocorrências de roubos em 2017, com 85,53% do total, seguida pelas regiões Nordeste, com 5,83%, e o Sul, com 5,55%, segundo os dados da associação. Entre as cidades, Rio de Janeiro e São Paulo concentraram quase 82% das ocorrências registradas no ano passado.

As cargas mais visadas são equipamentos de informática, eletroeletrônicos e medicamentos, de acordo com a PRF (Polícia Rodoviária Federal), devido ao alto valor agregado. Mas alimentos, bebidas e cigarros, com grande capilaridade e facilidade para receptação, também são alvos cada vez mais visados pelos criminosos.

Causas
Uma legislação penal branda na punição dos criminosos é a principal causa do aumento no número de roubo de cargas, segundo o assessor de Segurança da NTC&Logística, coronel Paulo Roberto de Souza. Ele explica que roubo de carga é enquadrado como receptação que tem pena 1 a 4 anos de prisão.

Mas, após a publicação da lei 12.403/2011, crimes com até 4 anos de penalidade são considerados de menor potencial ofensivo e o acusado pode responder ao processo em liberdade, após pagar fiança.  A estrutura polícia insuficiente, mal aparelhada e com efetivo pequeno, é outra causa para o aumento aos roubos, afirmou Souza.

Na outra ponta, a alternativa apontada para coibir os roubos seria penalizar a empresa receptadora com a cassação da inscrição no cadastro de contribuintes do ICMS e o cancelamento do CNPJ dos envolvidos, destacou Souza. Um projeto de lei em tramitação no Congresso tenta aumentar as penas para roubo e também para a receptação.

Para coibir o roubo de cargas, a PRF afirma que tem como foco o policiamento rotineiro e promove ações especiais e ostensivas, usando dados de inteligência. No entanto, a própria a corporação considera um desafio fiscalizar 70 mil quilômetros de rodovias federais, e coibir o roubo de cargas, com um efetivo “tão pequeno”, de cerca de 10 mil policiais.