Especialistas, políticos e empresários apontam características que habilitam o Rio de Janeiro a se tornar um polo logístico

da Agência iNFRA

O estado do Rio de Janeiro tem o potencial de se transformar em um grande polo de logística integrada, estimulado pelos setores de petróleo e gás, e de turismo. A região conta com várias instalações portuárias ao longo de seu litoral, malhas rodoviária e ferroviária, e aeroportos.

Na última terça-feira (8), especialistas, agentes públicos e privados que atuam no setor reuniram-se no webinar LogD-RJ (Logística e Desenvolvimento no Estado do Rio de Janeiro), promovido pela Meta Consultoria e Comunicação e pela JCM Políticas Públicas, para debater o tema – assista à íntegra neste link.

O evento contou com a participação do deputado federal Hugo Leal (PSD-RJ), do senador Carlos Portinho (PSD-RJ) e do secretário de Transportes do Rio de Janeiro, Delmo Pinho. Também participaram o presidente do Conselho de Administração do Cabo Frio Airport, Eduardo Valle; o vice-presidente da Coderte (Companhia de Desenvolvimento Rodoviário e Terminais do Estado do Rio de Janeiro), Roberto Aroso; o economista Marcos Poggi; o engenheiro naval Nelson Carlini; e o empresário Rui Barreto Filho.

Em sua apresentação, Delmo Pinho detalhou os principais projetos de transportes do estado, abrangendo a ampliação do hinterland a partir de concessões rodoviárias, o aperfeiçoamento de corredores ferroviários, a transformação do estado em um hub aéreo, e a competitividade do setor portuário. O senador Carlos Portinho e o deputado Hugo Leal também abordaram o potencial econômico do Rio de Janeiro.

O debate seguiu pelas quatro grandes áreas contempladas pelos projetos apresentados por Pinho. Marcos Poggi tratou das necessidades para uma retomada do dinamismo do Porto do Rio de Janeiro após seu esvaziamento durante a gestão de Eduardo Paes na prefeitura. Já Nelson Carlini abordou as conexões entre a indústria naval e logística.

No setor aeroportuário, Eduardo Valle falou sobre o aeroporto internacional de Cabo Frio, hoje um hub de cargas do segmento de petróleo e gás, mas voltado também ao setor de turismo. De acordo com Valle, o aeroporto, que está conectado aos portos do Açu e do Forno, tem a segunda maior pista de pouso do estado e uma das maiores do país, com capacidade para receber os grandes cargueiros em operação no mundo, como o Boeing 747 Cargo e o russo Antonov. 

Roberto Aroso apresentou um projeto de desenvolvimento de terminais marítimos sustentáveis ao longo da costa fluminense, voltados para carga, turismo e passageiros. Já no segmento ferroviário, Rui Barreto Filho destacou a importância de uma conexão direta entre o sul de Minas e o Porto do Rio de Janeiro, aproveitando a grande produção agrícola mineira e estabelecendo um corredor exportador de baixo custo para a cadeia produtiva.

O LogD-RJ foi patrocinado por ICTSI Brasil Rio, Multiterminais e Cabo Frio Airport, e teve apoio institucional da Secretaria de Transportes do Estado do Rio de Janeiro, da Coderte, da Câmara de Comércio Brasil-Chile, do Rotary Club e da Agência iNFRA, como media partner.

(Com informações da Meta Consultoria e Comunicação.)

Sair da versão mobile