Eólica é a segunda maior fonte de energia no Brasil

Eólica é a segunda maior fonte de energia no Brasil

30 de maio de 2022

da Agência iNFRA

Histórico
Do primeiro aerogerador em operação comercial no Brasil, em 1992, à marca histórica de 21,5 GW e mais de nove mil aerogeradores instalados em março de 2022, a energia eólica no Brasil ganhou também presença na matriz: hoje é a segunda fonte que mais gera eletricidade no Brasil, com 11,8%, atrás apenas das hidrelétricas.

Um marco
Em 14 de dezembro de 2009, para apoiar a diversificação da matriz de geração elétrica, o governo federal realizou um feito inédito: o primeiro leilão para contratação exclusiva de fonte eólica. O certame marca um ponto de inflexão na indústria. O leilão de energia de reserva contratou 71 empreendimentos com uma capacidade somada de 1.805,7 megawatts (MW), ao preço médio de R$ 148,39/MWh (deságio de 21,49% em relação ao preço-teto de R$ 189/Wh). Isso marcou o ingresso definitivo das eólicas na matriz de geração elétrica.

Nordeste
Cerca de 80% dos parques eólicos brasileiros estão localizados na região Nordeste, cujos ventos alísios são um diferencial de competitividade em todo o mundo. O fator de capacidade no Brasil está em 40%, acima dos 34% da média mundial, mas em vários momentos no Nordeste ele chega perto de 60%. Em 6 de agosto de 2021, em plena crise hídrica, 99% da geração do Nordeste foi provido pelas usinas eólicas.

Impacto social
O Índice de Desenvolvimento Humano de Municípios que receberam parques eólicos teve aumento de 20% entre 2000 e 2010 e o PIB Real teve alta de 21,15% entre 1999 e 2017, segundo estudo da Abeeólica. A energia eólica ocuparia pouca terra, permitindo que plantações e criações de animais sejam continuadas. As turbinas ocupam 8% da área.

Raio-X: setor eólico
Com a marca de 21,5 GW, o setor eólico já é responsável pela geração de quase 12% da energia elétrica do país. Veja os números abaixo.