Energisa, Equatorial, Neoenergia e CPFL acessaram data room das Distribuidoras da Eletrobras

Energisa, Equatorial, Neoenergia e CPFL acessaram data room das Distribuidoras da Eletrobras

24 de agosto de 2018
Leila Coimbra, da Agência iNFRA

data room (sala de informações) do Leilão das distribuidoras da Eletrobras foi acessado pelas seguintes empresas: Energisa, Equatorial, Neoenergia e CPFL, disseram fontes com conhecimento do negócio.

O leilão da Ceron (RO); Boa Vista (RR) e CEA (AC) ­­está marcado para o dia 30 de agosto. O certame foi mantido pelo governo nesta data mesmo sem a aprovação, pelo Congresso, do projeto de lei que trata de dispositivos que tornam as empresas mais atrativas financeiramente. Atualmente a matéria (PLC 77/18) aguarda a análise do Senado.

O presidente do BNDES, Dyogo Oliveira, disse a jornalistas na terça-feira (21), no Rio de Janeiro, que as três empresas que serão vendidas na próxima semana são pouco afetadas pelo projeto de lei, e que o fato do PL ainda tramitar no Congeresso não deverá afetar o interesse de investidores. O BNDES é o coordenador do processo de privatização das distribuidoras.

Equatorial e Energisa favoritas
Segundo especialistas, a Equatorial e a Energisa são as favoritas para apresentar lances no leilão das três empresas. A Equatorial arrematou no último dia 26 de julho a Cepisa (PI), primeira das empresas a ser vendida. Na ocasião, o presidente do grupo Equatorial, Augusto Miranda, afirmou ter interesse nas outras empresas de distribuição da estatal.

A Energisa não apresentou lance pela Cepisa, mas analisa as outras empresas de distribuição da Eletrobras à venda. A CPFL e a Neoenergia correm por fora, apesar de serem grandes players nacionais e com capacidade financeira para aquisições.

Amazonas depende mais do PL
Já a Amazonas Energia, a mais endividada das empresas à venda, é a que mais depende das garantias financeiras determinadas pelo projeto de lei. O leilão da empresa está previsto para o dia 26 de setembro.

Leia também:  iNFRADebate: O empresário "desestatizador"

Ontem (21), no entanto, foi vencido mais um obstáculo à venda da empresa, com a aprovação, pela diretoria da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) da desverticalização da Amazonas. Foi separada a parte de distribuição das áreas de geração e transmissão da empresa.

Na decisão, a agência reguladora garantiu o repasse de eventuais diferenças de preço do contrato relativo ao transporte e o preço regulado da parte de distribuição para a de geração e transmissão. Dessa forma, a Amazonas GT se responsabilizará pelas diferenças que eventualmente vierem a se verificar entre o preço provisório praticado no contrato de gás e o preço regulatório.

Liminares
Atualmente não existem liminares judiciais impedindo a realização do leilão da Ceron, CEA e Boa Vista. O TST (Tribunal Superior do Trabalho) suspendeu decisão judicial que impedia o leilão de privatização do dia 30 de agosto.

Já no caso da Ceal, de Alagoas, existe uma liminar do STF (Supremo Tribunal Federal) suspendendo a disputa, mas ela será analisada na próxima semana. Além disso, é preciso resolver uma disputa entre o governo de Alagoas e a União sobre o ressarcimento financeiro para garantir a venda da empresa.