Empresas do setor elétrico restringem viagens de executivos devido a surto de coronavírus

Empresas do setor elétrico restringem viagens de executivos devido a surto de coronavírus

6 de março de 2020
Guilherme Mendes, da Agência iNFRA

O surto global do Covid-19, uma nova mutação do coronavírus, já começa a alterar a rotina das empresas do setor elétrico do Brasil. Por mais que o país até agora não figure na lista de risco de organizações de saúde, geradoras e transmissoras com capital estrangeiro têm adotado medidas para evitar a contaminação de funcionários e diretores.

Italiana Enel 
A Enel, de capital italiano, suspendeu viagens para China, Hong Kong, Macau e Taipé, incluindo escalas. “Para todos os outros destinos, incluindo a Itália, como medida de precaução, também foi decidido que as viagens internacionais serão realizadas somente quando essenciais para a continuidade dos negócios”, afirmou a empresa em nota.

A companhia italiana detém a concessão de distribuidoras em São Paulo, Rio de Janeiro e Goiás, dentre outros ativos no Brasil.

EDP, de Portugal
Outra das empresas do setor que tomou medidas de precaução foi o braço brasileiro da portuguesa EDP, que controla a geração de 2,83 GW de energia por aqui, além de serviços de transmissão na região Sul. Portugal teve seu primeiro caso de Covid-19 confirmado na última segunda-feira (2), mas a empresa já proibiu as viagens de sua diretoria aos oito países mais afetados pelo novo surto. A recomendação é que também se evite viagens aéreas neste período.

Companhias chinesas
A CTG Brasil, que tem capital chinês e opera em sete hidrelétricas e 11 parques eólicos, afirmou que a nova epidemia de coronavírus não afeta qualquer negócio da empresa no Brasil, mas que todas as viagens não emergenciais foram suspensas e, principalmente por conta do período de férias, qualquer colaborador que esteja retornando de uma viagem internacional está passando por avaliação médica. Outras empresas chinesas com participação no Brasil, como a SIPC e a State Grid, foram consultadas, mas não responderam.

Leia também:  Entrevista: após Covid-19, gás do pré-sal poderá adicionar de 10 a 12 GW ao sistema

Outro player no Brasil com capital chinês, a CPFL afirmou apenas que está reforçando internamente as orientações do Ministério da Saúde sobre o Covid-19. A CPFL é controlada pela State Grid Corporation of China.