Crise global pressiona preços de equipamentos no setor solar e na indústria do gás

Crise global pressiona preços de equipamentos no setor solar e na indústria do gás

3 de novembro de 2021

Roberto Rockmann, colunista da Agência iNFRA*

A crise energética global e a disrupção em algumas cadeias de valor mundiais já trazem impactos para o setor elétrico brasileiro. Os principais efeitos se dão sobre o setor solar e de gás natural.

Com grande parte dos equipamentos importados da China, o setor solar brasileiro já começa a sofrer com câmbio elevado, aumento de custos e ameaça de desabastecimento de equipamentos, com algumas fábricas chinesas operando agora apenas meio período.

Há preocupação de que o mercado brasileiro não seja priorizado nesse momento. Distribuidoras já notificaram nas últimas semanas aumentos de 15% a 20% nos preços para empresas no Brasil.

A expectativa é de que a normalização na cadeia produtiva não seja atingida antes de março de 2022. Isso pode ter impacto sobre o andamento de projetos previstos para entrar em operação nos próximos meses. Também pode levar à mortalidade de empreendimentos. Empresas que estejam muito expostas ao setor serão olhadas com lupa pelos analistas.

O contexto levou uma empresa a suspender por ora um projeto de parque centralizado solar para autoprodução que seria erguido no Nordeste. Além do fornecimento na China, o receio é grande sobre como ficará a taxa de câmbio nos próximos meses.

Mais ruídos sobre a política fiscal poderão levá-la acima de R$ 6, o que poderá ter um impacto ainda mais negativo sobre o setor solar. No setor eólico, a pressão é menor, uma vez que 80% da cadeia estão no Brasil, mas pode haver reajustes de preços de equipamentos.

O inverno está chegando ao hemisfério norte. A pressão sobre os preços do gás natural poderá ser ainda mais elevada no mundo. Cenário que poderá perdurar por longos meses. O barril do petróleo subiu mais de 15% nos últimos dois meses, enquanto o dólar aumentou mais de 10%.

Em dezembro, grandes consumidores esperam alta de preços em alguns mercados, como o de São Paulo. Adiciona-se outro ingrediente: no último mês do ano, expiram contratos de distribuidoras do Nordeste e de São Paulo com a Petrobras.

Grandes consumidores estão receosos com a renegociação, que ocorre em um momento de tensão mundial nos preços do insumo e em que o GNL (gás natural liquefeito) também bate recordes.

Leia também:  Análise: crise de energia aumenta a gravidade em agosto
*Roberto Rockmann é escritor e jornalista. Coautor do livro “Curto-Circuito, quando o Brasil quase ficou às escuras” e produtor do podcast quinzenal “Giro Energia” sobre o setor elétrico. Organizou em 2018 o livro de 20 anos do mercado livre de energia elétrica, editado pela CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica), além de vários outros livros e trabalhos premiados.
As opiniões dos autores não refletem necessariamente o pensamento da Agência iNFRA, sendo de total responsabilidade do autor as informações, juízos de valor e conceitos descritos no texto.