B3 cria produto para medição de risco na comercialização de energia

B3 cria produto para medição de risco na comercialização de energia

28 de julho de 2021

Ludmylla Rocha, da Agência iNFRA

A B3 criou um produto específico para o setor de energia. Trata-se de uma plataforma na qual as empresas podem, voluntariamente, apresentar documentos relacionados a governança e saúde para que a Bolsa de Valores dê um nível e calcule seu limite de risco.

Os níveis vão de 1 a 3, sendo o último o melhor deles, conforme as informações enviadas. Quanto maior o indicador, mais dados esta empresa disponibilizou para a B3 a fim de que ela calcule o quanto essa empresa é capaz de cumprir com as suas obrigações financeiras caso um evento de stress aconteça no mercado e sinalize isso através de um selo.

Até o momento, 10 empresas participam da plataforma (leia a lista), que foi lançada em janeiro. Com ela, todos podem acessar o nível das cadastradas, mas só os participantes da plataforma podem verificar se determinado agente tem ou não a chancela de aderência de risco da B3. Os valores fornecidos por cada empresa não são compartilhados com as demais.

Segundo a superintendente de Novos Negócios da B3, Ana Beatriz Mattos, a dinâmica é mais rápida do que na CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica) no registro das negociações, porque a Bolsa de Valores solicita que essas sejam informadas no dia em que são feitas.

A economista pondera que a intenção do produto não é impedir que, em caso de não aderência, este operador participe das operações, mas sinalizar a quem está negociando com ele os riscos de fazê-lo.

“A única informação que a gente está dando é que, se de hoje para amanhã o preço sair de onde está para o teto, pode ser que esse agente não consiga cumprir como todos os contratos que ele tem em carteira. E aí você pode escolher se quer ter uma posição grande com ele ou uma posição pequena”, diz. “O objetivo é que o cliente faça a gestão de riscos e possa montar seu portfólio de forma mais segura e transparente”, conclui.

Leia também:  Grandes consumidores propõem prêmio de 30% sobre PLD máximo de R$ 1,2 mil para reduzir consumo