Área técnica do Cade muda posição e passa a considerar regular cobrança do SSE/THC2

Área técnica do Cade muda posição e passa a considerar regular cobrança do SSE/THC2

6 de abril de 2020
Dimmi Amora, da Agência iNFRA

Nota Técnica do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) emitida na última quarta-feira (1º) deu um novo direcionamento à questão do SSE (Serviço de Segregação e Entrega) ou THC2, taxa cobrada por terminais portuários com acesso aos navios para movimentar contêineres que vão para terminais retroalfandegados.

Os técnicos entenderam que a cobrança da taxa configurou infração à ordem econômica até o ano passado, quando a ANTAQ (Agência Nacional de Transportes Aquaviários) editou a Resolução 34/2019, que estabeleceu novas regras para essa cobrança. O processo ainda terá que ser apreciado pelos conselheiros.

O caso foi impetrado pela Atlântico Terminais S/A e Suata Serviço Unificado de Armazenagem e Terminal Alfandegado S/A contra o Tecon Suape, no Porto de Suape (PE), investigando abuso de posição dominante no mercado de armazenagem alfandegada.  Associações do setor como a Abratec (Associação Brasileira de Contêineres), ABTP (Associação Brasileira de Terminais Portuários) e a ATP (Associação dos Terminais Portuários Privados) foram admitidas como interessadas no processo.

O órgão de defesa da concorrência vinha decidindo pela configuração de abuso em praticamente todos os processos do gênero até o ano passado. Mas, com a nova resolução, a posição mudou. No entanto, o órgão ainda se mostra preocupado com a questão da concorrência e aponta que o direcionamento seria o estabelecimento de um price cap para a atividade.

“Esse cenário impõe a necessidade de uma regulação mais efetiva de preços pela ANTAQ sobre as taxas consideradas de cobrança justificável como é o caso da THC2/SSE (com a interpretação dada pela Resolução Antaq nº 34/2019) e também a criação de instrumentos para evitar a cobrança de taxas que não refletem propriamente os serviços prestados”, diz o parecer.

“Do contrário, permite-se a presença das condições para o abuso do poder de mercado pelos Operadores Portuários somada à proliferação de ações administrativas e disputas judiciais entre Operadores Portuários e Recintos Alfandegados, gerando ineficiências para o setor portuário.” O documento completo está neste link.

Leia também:  Defasagem no preço dos combustíveis causa apreensão com mudança de política da Petrobras

Mudança após 20 anos
Cássio Lourenço Ribeiro, sócio da Lourenço Ribeiro Advogados Associados, que representa as associações, lembrou que é uma mudança após 20 anos e que agora a discussão passa a ser com base em evidências concretas sobre a concorrência.

“O paradigma muda: em vez de se discutir se pode ou não cobrar, a discussão passa a ser sobre os parâmetros e limites da cobrança”, afirmou o advogado.

Lourenço, no entanto, criticou o fato de a nota ter sido aplicada apenas para após a Resolução 34/2019.

“A Resolução 34/19 segue rigorosamente o mesmíssimo modelo regulatório da Resolução 2.389/12, a quem sucedeu. Os elementos estavam todos ali: cobrança destacada, preço teto, legislação antitruste. Os players eram os mesmos, os preços eram os mesmos, a dinâmica concorrencial também. Nada mudou”, disse Lourenço.

Aumentos abusivos
Conforme vem mostrando a Agência iNFRA, após a publicação da Resolução 34/2019 da ANTAQ, os terminais portuários marítimos e retroalfandegados entraram em uma guerra judicial. Uma liminar da Justiça chegou a determinar a suspensão da resolução, mas ela acabou revogada. Até o momento, as decisões têm sido favoráveis a manter a resolução em vigor, que estabelece que a cobrança é legal, mas determina o estabelecimento de um preço teto.

No entanto, sem que o preço teto esteja em vigor, há reclamações de aumentos abusivos praticados por terminais em vários locais do país. Em Santos (SP), segundo apurou a Agência iNFRA, um terminal chegou a anunciar que triplicaria o valor do SSE/THC2. Acabou não concretizando a nova tabela após a crise da pandemia de Covid-19.