ALTA não considera positiva medida de socorro a empresa aérea na qual Estado vira acionista

ALTA não considera positiva medida de socorro a empresa aérea na qual Estado vira acionista

19 de abril de 2020
Rodrigo Zuquim, da Agência iNFRA

A entrada do Estado como acionista nas companhias aéreas não é uma forma positiva de solucionar o problema do setor em meio à crise da pandemia do novo coronavírus. Esse é o entendimento de Luis Felipe de Oliveira, diretor-executivo da ALTA (Associação Latino-Americana e do Caribe de Transporte Aéreo), que falou sobre o panorama e as perspectivas para o setor aéreo em teleconferência realizada na última quinta-feira (16).

A posição da ALTA vai de encontro às medidas em negociação entre o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e as companhias aéreas. O banco de fomento estuda um aporte de capital de cerca de R$ 10 bilhões divididos entre a Azul, a Gol e a Latam, por meio da emissão de títulos conversíveis em ações.

As tratativas estão emperradas porque integrantes do governo querem que seja considerado na conversão o preço atual das ações. O plano sofre resistência por parte das empresas, uma vez que as ações têm sofrido forte desvalorização desde o início da crise.

Para o CEO da ALTA, a estratégia de socorro por meio de participação acionária levaria à diluição dos atuais acionistas, o que seria ruim para as companhias. Oliveira vê no modelo norte-americano de ajuda ao setor, com enfoque na manutenção de empregos, uma melhor solução.

“Dos US$ 25 bilhões de dólares que aéreas americanas estão recebendo, 70% são subsídios para manter empregos. Só 30% ajudam em termo de capital”, afirmou.

“Crise global sem precedentes”
Dados da associação mostram que a receita global com o transporte de passageiros sofreu uma redução na ordem de US$ 314 bilhões, o que representa uma queda de 55%. Na América Latina, as perdas chegam a US$ 18 bilhões. Até a semana passada, havia o risco da perda de 25 milhões de empregos relacionados ao setor em todo o mundo.

Leia também:  Empresa faz acordo com UTC para comprar parte de Viracopos, mas tem que cumprir exigências

Segundo Oliveira, o impacto da pandemia de Covid-19 na aviação comercial é devastador. Se voltarmos a fevereiro, antes de os impactos da crise chegarem, o tráfego aéreo na região apresentou crescimento de 4,5% em relação ao ano anterior, com 24,2 milhões de passageiros transportados. No Brasil, a alta foi de 3%.

Já as projeções iniciais da ALTA para março indicam que houve uma redução de 25% no transporte de passageiros na América Latina e no Caribe, com uma contração de 21% no mercado doméstico e 29% no internacional.

Por outro lado, dados da primeira quinzena de abril mostram que o transporte de carga saiu fortalecido, com um crescimento de 65% nos voos internacionais dentro da região latinoamericana e de 26% nos voos internacionais a partir ou com chegada na América Latina, em relação ao mesmo período de 2019. Para efeito de comparação, a Europa teve redução de 26% e a América do Norte, alta de 2%.

Demandas do setor
A recuperação do setor aéreo será lenta e começará com países que têm tráfego doméstico forte, segundo a avaliação de Oliveira. Mas, para isso, é necessário o apoio dos governos. “O que se pedem são postergação de custos governamentais para reduzir impacto nas aéreas neste momento crítico. Pedimos que a crise seja atacada de forma regional e não unilateral por cada um dos países”, defende o diretor da associação.

O Brasil reagiu rápido, de acordo com Oliveira, com medidas como diferimentos de impostos e taxas, dando fôlego às companhias. Mas também há demandas ao governo federal pela flexibilização das leis trabalhistas, para diminuir o número de empregados que possam ser demitidos, e por ações de injeção de capital nas empresas.

Leia também:  Defasagem no preço dos combustíveis causa apreensão com mudança de política da Petrobras

Ações do governo
Uma das primeiras medidas do governo que tratavam de solução para setores afetados pela pandemia da Covid-19, a Medida Provisória 925, voltada à aviação civil brasileira, recebeu 79 emendas de parlamentares. O texto original dá prazo de um ano para as empresas aéreas remarcarem passagens ou devolverem os recursos aos consumidores e permite que o governo suspenda os pagamentos de outorgas das concessões aeroportuárias.

A emenda 38, do senador Eduardo Braga (MDB-AM), permite a utilização dos recursos do Fnac (Fundo Nacional de Aviação Civil) para empréstimos a companhias aéreas e concessionárias aeroportuárias. Já a emenda 54, do deputado Hugo Leal (PSD-RJ), altera a Lei de Falências para evitar problemas com perda de aeronaves.

Aviação não será mais a mesma
Na semana que vem, a associação realizará teleconferência com os governos da região. “Discutiremos com os estados já a abertura, quando deve vir, quando teremos a segurança de voltar a voar de uma maneira tranquila e eficiente”, informou o diretor-executivo.

A expectativa da ALTA é de que a economia inicie uma linha de crescimento em meados de 2022. Mas a associação deixa para agora um alerta importante. Sem o respaldo urgente dos governos, muitas empresas do setor não sobrevivem mais do que oito meses. No futuro, para Oliveira, a aviação não será mais a mesma.

“Sem dúvida, depois dessa crise, a aviação voltará diferente. Empresas deverão voltar mais pequenas, terão menos aviões, menos destinos.”