Última reunião do PPI neste ano qualificará quatro projetos de transportes

Bernardo Gonzaga, da Agência iNFRA

O PPI (Programa de Parcerias de Investimentos) fará sua última reunião do ano na terça-feira (19) e qualificará, na carteira de projetos de infraestrutura de transportes, o terminal marítimo de passageiros do porto de Mucuripe (CE), o terminal PAR32 de Paranaguá (PR), estudos para o terminal STS08 no porto de Santos (SP) e apoio ao licenciamento ambiental de trecho da BR-135 (MG).

O órgão reuniu-se na Casa Civil na última quarta-fera (13) para decidir os demais projetos que também entrarão na carteira do PPI, em outras áreas.

Fiol e Transnordestina
O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, disse que os estudos para concessão da FIOL (Ferrovia de Integração Oeste-Leste) já estão prontos e devem ser encaminhados ao TCU (Tribunal de Contas da União) na semana que vem. O trecho concedido será de Caetité (BA) a Ilhéus (BA).

A declaração do ministro aconteceu em workshop sobre concessões e PPPs (parcerias público-privadas) na ENAP (Escola Nacional de Administração Pública), em Brasília (DF), na quarta-feira (13).

No mesmo evento, Freitas disse que há investidor interessado em construir o ramal da ferrovia Transnordestina em Pernambuco até o porto de Suape (PE).

“A gente tem já uma proposta para fazer: vamos tirar o ramal de Pernambuco da concessão e vamos atribuir esse ramal para a Valec. A Valec vai fazer um COE (Contrato Operacional Específico) com o novo operador. Nós vamos ter um usuário investidor, que vai fazer a obra e vai ter a exploração do segmento até Pernambuco”, disse Freitas.

A ferrovia encontra-se em processo de caducidade e tem R$ 7,1 bilhões de obras a serem feitas. A expectativa do ministério é que, fazendo esse ajuste na ferrovia, possa diminuir a obrigação de investimento para R$ 4 bilhões.

Leia também:  ANTT trabalha para finalizar análise técnica da renovação da Malha Paulista até junho

BR-153 e fundos
O ministro voltou a dizer também que usará o modelo híbrido de oferta no leilão da BR-153/GO, que baseia-se no menor valor de tarifa e, caso haja empate, passa-se a usar o maior valor de outorga para a escolha do vencedor.

Freitas disse também que a pasta ainda pensa em um fundo de infraestrutura, mesmo depois de o governo ter entregado na última semana ao Congresso uma PEC (proposta de emenda à Constituição) que extingue fundos não previstos na Constituição.

Banco do BRICS
O Ministério da Infraestrutura e o Novo Banco de Desenvolvimento do BRICS (NDB, na sigla em inglês) terão agenda de trabalho conjunta para impulsionar os investimentos estrangeiros na carteira de projetos de concessão do Brasil.

O anúncio foi feito na última quarta-feira pelo ministro Tarcísio Gomes de Freitas, após reunião com o presidente do NDB, o indiano K.V. Kamath. O Banco do BRICS tem interesse em financiar projetos de infraestrutura no Brasil no valor de R$ 10 bilhões.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.