Torre de transmissão afetada por greve dos caminhoneiros divide diretoria da ANEEL

Guilherme Mendes, da Agência iNFRA

Caberia punição à uma transmissora de energia afetada por um ato de sabotagem causado, supostamente, pela greve dos caminhoneiros? Após uma hora de intensos debates e opiniões divergentes, os diretores da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) ainda não chegaram a um consenso sobre o caso.

O julgamento, iniciado na última terça-feira (28), envolve a Taesa, transmissora responsável por uma linha de transmissão entre os municípios de Ribeiro Gonçalves e São João, no Piauí. A rede sofreu uma queda de fornecimento em 28 de maio de 2018 e, por esta falha no sistema, a empresa foi penalizada com o desconto na PVI (Parcela Variável por Indisponibilidade). A empresa recorre à agência pela revisão do caso.

Tiros de grosso calibre
A Taesa alega que a falha teria sido fruto de uma sabotagem, ocorrida durante a greve dos caminhoneiros. Na torre onde houve a falha do sistema, 23 dos 25 isoladores de vidro teriam sido destruídos por tiros, disparados por arma de grosso calibre direto do chão. A intenção dos sabotadores, de acordo com a Taesa, era de causar a interrupção do serviço de transmissão.

Segundo a defesa da empresa, as operações de sabotagem teriam ocorrido em outros pontos do Sistema Elétrico Brasileiro. “Esse é um fortuito externo sobre o qual a concessionária não pode responder em nenhum grau, incluindo a inaplicacão do desconto de Parcela Variável por Indisponibilidade”, escreveu a empresa em uma peça entregue à ANEEL em fevereiro de 2019.

Parecer favorável à empresa
A procuradoria da agência manteve seu parecer sigiloso até o julgamento de terça-feira. Alegando conversas francas com a área técnica e membros da Taesa, o procurador-geral da agência, Marcelo Escalante Gonçalves, afirmou enxergar no fato uma questão extraordinária na situação, caracterizando o ato como sabotagem e eximindo a transmissora da punição.

Leia também:  Ministério da Economia diz que subsídio à energia solar daria para construir 9 mil creches

O mesmo entendimento foi apontado pelo relator do caso, o diretor Efrain Pereira da Cruz, que também propôs dar provimento ao recurso da empresa, apontando em seu voto que a greve dos caminhoneiros se transformou em um fato extraordinário, dado seus efeitos e sua imprevisibilidade.

Diretores discordaram
O voto suscitou debate entre os demais diretores. A diretora Elisa Bastos Silva contra-argumentou que “o ato ocorreu no final da greve. E o Piauí não era o [estado] mais afetado”. Outro diretor, Sandoval Feitosa Neto, considerou difícil aceitar que o ato foi totalmente alheio às opções da Taesa. “Como podemos assegurar que parte da cadeia de isoladores já estava avariada naquele dia, e a falta de manutenção provocou a queda de energia?”, questionou.

Sandoval afirmou que “não conseguia correlacionar uma coisa [a queda de energia] com outra [a possível sabotagem]”. Rodrigo Limp Nascimento também demonstrou desconforto com a saída apresentada no voto do relator.

Após mais de uma hora de debates, Efrain retirou o caso de pauta, ainda na fase de debates, para analisar se a empresa possuía ou não a liberdade de instalar isoladores deste material, de acordo com análises de risco. Nenhum dos diretores declarou voto, e o diretor-geral da ANEEL, André Pepitone, não estava presente na reunião durante o julgamento porque tinha ido à Espanha para cumprir agenda no exterior.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.