TCU muda norma de análise de processos de desestatização do governo federal

 

Dimmi Amora, da Agência iNFRA

O plenário do TCU (Tribunal de Contas da União) aprovou, na quarta-feira (21), novo normativo para a fiscalização de desestatizações no governo federal. Pelo novo modelo, o órgão acaba com estágios de fiscalização, exigirá mais tempo do governo para realizar o trabalho, vai priorizar os itens mais significantes e considerar “o equilíbrio econômico-financeiro como algo dinâmico, que deve ser compreendido no âmbito de definições relativas à qualidade dos serviços prestados”.

O acórdão e a Instrução Normativa 81/2018 estão neste link.

O relator do processo, ministro Walton Alencar Rodrigues, lembrou que o trabalho vinha sendo desenvolvido desde 2015 e que, em novembro do ano passado, levou o projeto ao plenário, recebendo sugestões de vários ministros.

Em seu voto, Rodrigues destaca três mudanças principais. A primeira é nos estágios. Antes, as desestatizações previam uma análise em cinco etapas pelo TCU, sendo que a primeira era considerada a mais relevante, quando se analisavam os estudos de viabilidade. A sistemática dos estágios acaba, com o intuito de encerrar com alguns formalismos desnecessários.

Isso mudará a forma como o governo terá que tratar as concessões. De acordo com Rodrigues, “o primeiro marco temporal relativo ao acompanhamento da desestatização é definido pelo prazo para envio ao Tribunal do extrato de planejamento desta, por parte do Poder Concedente, em que constem as seguintes informações: descrição do objeto a ser desestatizado; previsão do valor dos investimentos; relevância e localização do objeto ou empreendimento; e cronograma licitatório”. Esse documento deve ser enviado 150 dias antes da data prevista de publicação do edital.

Após o envio do extrato, o governo deve mandar todos os documentos – estudos, proposta, edital – que farão parte dessa etapa pelo menos 90 dias antes da previsão da publicação do edital.

Nova regra para renovações
A nova Instrução Normativa também vincula prazos e normas para os processos de prorrogação de concessões. Elas passam a ocorrer “com um mínimo de 150 dias de antecedência em relação à data prevista para a assinatura dos contratos ou termos aditivos para a prorrogação ou a renovação de concessões ou permissões, inclusive as de caráter antecipado”, informa o relator.

Os documentos entregues devem conter:  descrição sucinta do objeto; condicionantes econômicas; localização; cronograma da prorrogação; minuta de aditivo contratual; e normativos autorizativos.

Para o relator, o novo normativo vai permitir “que o Tribunal avalie a necessidade de autuar processo de fiscalização, considerando que a regra geral prevista pelo arcabouço legal é licitar, e que a vantagem de se tomar uma decisão diversa deve ser demonstrada para a sociedade”.

Matriz de Risco
Outro ponto relevante da nova sistemática é o que se pode chamar de forma de analisar o processo. De acordo com o ministro, devido à complexidade dos processos, há “impossibilidade fática de analisar tempestivamente e com a mesma profundidade todo o amplo escopo previsto pelas regras vigentes”, concluindo que os resultados são, por vezes, “instruções técnicas desnecessariamente extensas ou superficiais”.

A proposta é para que as análises passem a ser feitas pelo “princípio da significância, de acordo com critérios de materialidade, relevância, oportunidade e risco”, tendo como modelo as chamadas “auditorias de conformidade” do órgão.

Rodrigues destaca ainda um “movimento no sentido de interpretar o equilíbrio econômico-financeiro como algo dinâmico” e uma maior relevância para a chamada Matriz de Risco, que deverá conter “descrição exaustiva de todos os elementos que compõem a matriz de repartição de riscos do empreendimento, fundamentando a alocação de cada risco mapeado para cada uma das partes envolvidas no contrato a ser firmado”.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.