TCU determina que Furnas atualize o plano de negócios de hidrelétrica

Dimmi Amora e Leila Coimbra, da Agência iNFRA

Em decisão tomada nesta quarta-feira (26), o TCU (Tribunal de Contas da União) determinou que Furnas atualize o plano de negócios do empreendimento UHE Simplício, na fronteira do Rio de Janeiro com Minas Gerais, que está há sete anos sem correção.

A decisão do órgão foi tomada após fiscalização de três contratos feitos pela estatal para a conclusão do projeto, depois que os documentos originais – assinados na década passada – foram rescindidos pela empresa. Os contratos anteriores para a construção da usina estão sob suspeita de superfaturamento em análise realizada pelo próprio TCU.

Na última avaliação, feita em 2011, os custos iniciais do projeto, de R$ 1,5 bilhão, já estavam em R$ 2,2 bilhões. A usina entrou em operação dois anos depois, em 2013.

Superfaturamento
O projeto não sofreu nenhuma atualização desde que veio a público a denúncia de superfaturamento na construção da hidrelétrica, em 2011, causando na época a saída da diretoria de Furnas e do presidente da estatal, Carlos Nadalutti Filho, indicado pelo deputado Eduardo Cunha (MDB-RJ).

Processo nos EUA 
As Irregularidades na usina foram citadas posteriormente em denúncias na Lava Jato, que provocaram problemas para a Eletrobras, controladora de Furnas, no exterior. O Departamento de Justiça dos Estados Unidos chegou a ameaçar em processar a estatal por questões envolvendo a lei norte-americana anticorrupção.

Junto às denúncias de superfaturamento em outros projetos como a hidrelétrica de Belo Monte e a usina nuclear de Angra 3, a Eletrobras chegou a ter as suas ações suspensas na bolsa de Nova York devido ao atraso no arquivamento dos formulários 20-F, com dados financeiros de 2014 e 2015.

Leia também:  TCU aprova estudo de viabilidade para arrendamento de terminal de contêiner de Suape (PE)

Na época, a auditoria responsável, KPMG, recusou-se a assinar os documentos em meio a investigações ainda em andamento sobre corrupção na companhia.

Angra 3
Recentemente o TCU liberou a retomada das obras da usina nuclear de Angra 3, paralisadas desde 2015 por conta de denúncias na Lava Jato.

O relator do processo no órgão, ministro Bruno Dantas, disse em seu voto que as estatais rescindiram todos os contratos com a construtora Engevix que foram investigados pela Polícia Federal. Com isso, foram “sanados os indícios de irregularidades graves que recomendaram a paralisação”.

Simplício 
No caso da hidrelétrica de Simplício, de acordo com o relatório da ministra Ana Arraes, não foram encontradas irregularidades na análise desses três contratos, que somam cerca de R$ 50 milhões. Apenas a falta de atualização dos dados foi questionada pelo relatório.

“Como resultado dessa desatualização, tem-se a falta de transparência dos registros das variações nas condições econômico-financeiras do negócio e das medidas adotadas pelos gestores da empresa para mitigação dos efeitos desses desvios em relação à trajetória projetada inicialmente para o negócio”, informa o documento.

O TCU determinou que os planos de negócios sejam atualizados periodicamente após ser informado pela estatal que ela já está fazendo a atualização deste plano de negócios.

O complexo de Simplício, que tem uma UHE e uma PCH (Anta), tem capacidade de 333 MW e já está produzindo energia desde 2013. No entanto, a obra que está sendo feita, para concluir a PCH, está em ritmo lento, segundo a auditoria.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.