TCU bloqueia R$ 508 milhões da Andrade Gutierrez

Bernardo Gonzaga, da Agência iNFRA

O TCU (Tribunal de Contas da União) emitiu medida cautelar bloqueando os bens da Andrade Gutierrez no total de R$ 508.341.306,30 – em valores atualizados – por superfaturamento de obras em Angra 3. Segundo o ministro-relator, Bruno Dantas, o montante é equivalente ao prejuízo dos cofres públicos por consequência de aditivos ao contrato da obra. Placar da votação foi de cinco votos a um. Somente o ministro André Luiz Azevedo se manifestou contra a medida.

Durante a discussão da matéria, na quarta-feira (25) Dantas chegou a dizer que “não tem como ser mais generoso. A empresa não me consultou na hora de roubar os cofres públicos (…) Não é para isso que estou aqui”. A frase foi dita após o Ministério Público junto ao TCU se manifestar contra a medida.

A corte determinou ainda que a Eletrobras encaminhe ao TCU os processos referentes à anulação do Contrato NCO-223/83, abrangendo sanções e relatórios de investigação produzidos pela Eletronuclear e por consultoria independente.

A Andrade Gutierrez apresentou um memorial à corte que defende a impossibilidade de se aplicar sanção por ser uma empresa leniente. Argumenta, ainda, que tem adotado postura colaborativa com o TCU e que apresentou folhas de pagamento, subcontratos, ordens de compras e notas fiscais.

Porém, o relator disse que, na prática, os documentos apresentados não permitem identificar novas irregularidades ou aprofundar, de maneira significativa, o exame daquelas que já foram caracterizadas pela unidade instrutora. Dantas ressaltou ainda que a empresa adota postura “litigante” e que isso vai de encontro às alegações de disposição em colaborar para o esclarecimento dos processos no TCU.

Acordos de colaboração

Durante a discussão da matéria, o ministro Augusto Sherman propôs a adoção de procedimento para a elaboração de acordos de colaboração. O início do procedimento seria a petição ao presidente da corte, Raimundo Carreiro, com a manifestação de interesse pela colaboração.

Leia também:  Sem concorrência, combustível para navegação já começa a subir por mudança em regra de emissões

E, só então, constituir um grupo para firmar a colaboração em todos os processos da Andrade Gutierrez na Corte. O grupo deve ser constituído por membros das secretarias técnicas envolvidas, integrantes do gabinete do relator e indicados do Ministério Público junto ao TCU.

O ministro Augusto Sheman se comprometeu a escrever a sugestão do acordo e trazer ao plenário para votação na próxima sessão. A proposta visa maior segurança jurídica para a celebração de acordos de empresas com o TCU.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.