TCU abre auditoria sobre ‘riscos de ingerência política’ na Eletrobras

Dimmi Amora, da Agência iNFRA

O TCU (Tribunal de Contas da União) decidiu abrir uma auditoria de conformidade na Eletrobras “para tratar dos riscos de perdas de remuneração por não atendimento a parâmetros regulatórios (ineficiência) e dos riscos de ingerência política” na estatal. O documento pode ser acessado neste link.

O trabalho, de acordo com a proposta aprovada pelo plenário do órgão, terá como foco a atuação do conselho de administração e a diretoria da empresa. A proposta foi apresentada pelo ministro Walton Alencar Rodrigues, que será o relator das contas do governo de 2019.

Ele decidiu que o risco da necessidade de novos aportes orçamentários na estatal pode criar um capítulo sobre a Eletrobras na análise das contas de gestão do presidente Jair Bolsonaro.

Walton aponta dois problemas principais para o pedido de auditoria. O primeiro é a inadequação da empresa aos parâmetros determinados pela ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) de gestão, especialmente pelos elevados gastos com pagamento de funcionários, cuja média é muito acima das empresas privadas e públicas do setor.

“Segundo dados do MME [Ministério de Minas e Energia], o custo médio anual por empregado da Eletrobras é de R$ 372 mil, superior tanto ao custo médio das empresas públicas que atuam no setor elétrico, de R$ 283 mil, como ao das empresas privadas, de R$ 229 mil. Dentro do Grupo Eletrobras, a empresa que apresenta o maior custo médio anual por empregado é a Eletronorte, R$ 454 mil”, informa o texto.

Walton citou em seu comunicado auditoria realizada pelo TCU no ano passado apontando uma série de deficiências na gestão da companhia e em sua relação com o governo e informando que, antes de privatizar a empresa, o governo terá que resolver uma série de pendências.

Leia também:  TCU bloqueia R$ 508 milhões da Andrade Gutierrez

“Necessário reconhecer, no entanto, que um dos motivos inibidores da eficiência e competitividade do conglomerado consiste na tomada de decisões empresariais à contramão da lucratividade, como a entrada em leilões com pouca atratividade e a execução de negócios deficitários, o que, por sua vez, está relacionado à ingerência política”, afirma o relator do processo, o ministro Aroldo Cedraz, em seu voto.

Para privatizar a empresa, o governo deverá pedir o aval do TCU. Na decisão tomada em novembro de 2019, o órgão determinou que o processo só seja encaminhado ao tribunal após o governo apresentar respostas a seis problemas de auditoria levantados:

– falta de esclarecimento sobre a necessidade ou não de haver uma estatal do setor;

– definição sobre a alteração ou não do regime de cotas instituído em 2013;

– estabelecimento de remuneração para atividades de interesse público assumidas pela estatal sem remuneração;

– O que será feito com o Cepel (Centro de Pesquisas de Energia Elétrica);

– O que será feito com a Eletronuclear e Itaipu, que não podem deixar de ser estatais;

– quem vai assumir riscos de ações judiciais sobre empréstimos compulsórios da Lei 4.156/1962.

A decisão do TCU aponta ainda a necessidade de o governo resolver, até abril de 2020, como serão alocados recursos de fundos regionais de energia do Nordeste e do Centro-Oeste, e como serão pagas despesas incorridas pela empresa, mas que são de responsabilidade do governo.

Segundo o órgão, a empresa gasta R$ 100 milhões em três anos com esse tipo de pagamento. A Eletrobras toma conta até mesmo de hotéis que são patrimônio da União.

A falta de pagamento do governo não é, no entanto, o principal problema de gestão apontado pela avaliação na estatal. O órgão mostra que a estatal não realizava avaliações de risco para entrar em negócios, o que gerou prejuízos para a companhia. Uma das recomendações do tribunal é para que esses prejuízos sejam devidamente contabilizados.

Leia também:  Se proposta de técnicos do TCU for aprovada, Vale pode desembolsar mais R$ 15 bi por ferrovias

A designação de conselheiros para mais de uma centena de companhias das quais a estatal é sócia também é motivo de críticas do órgão pela falta de controle e a indicação de pessoas sem qualificação para a função.

A análise também apontou problemas para a sustentabilidade financeira da companhia nos próximos anos. Os problemas levaram a uma falta de caixa para realizar os investimentos contratados, o que pode apresentar risco para todo o sistema, visto que a Eletrobras é ainda a maior empresa do setor.

Um caso que preocupa especialmente os técnicos é a sustentabilidade financeira da Eletronorte, uma das companhias da holding. Se renovar o seu contrato da hidrelétrica de Tucuruí, que vence em 2024, pelo regime atual de cotas, a empresa perderá mais de metade da receita, o que a tornaria insustentável.

A decisão do TCU está disponível neste link.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.