Tabela de Frete Rodoviário é rejeitada por unanimidade em reunião da CTLog

 

Bernardo Gonzaga, da Agência iNFRA

A CTLOG (Consultoria Técnica em Logística) do ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento se reuniu na quarta-feira (15) para discutir, entre outros assuntos, sobre as consequências do tabelamento mínimo do frete do transporte rodoviário de cargas.

As entidades presentes na reunião concordaram por unanimidade que o ato é prejudicial ao mercado e ao consumidor. A medida foi sancionada em julho com o objetivo de atender as reivindicações dos caminhoneiros que entraram em greve entre maio e junho deste ano.

Segundo a ABIOVE (Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais), o setor de transportes de cargas não apresenta condições que justifiquem intervenções ativas no seu funcionamento. Além disso, para Daniel Furlan, gerente de economia da entidade, o tabelamento de frete faz com que haja aumento de custos ao consumidor final e perda de competitividade sistêmica para a economia brasileira.

Outro problema apresentado pelo setor foi de que a safra de 2019 já está comprada e o preço final foi feito tendo como referência os preços históricos. Com isso, a tendência é que haja uma margem negativa de comercialização, o que pode gerar impedimento na contratação dos fretes, e, além disso, embarques internos e exportações poderão ser paralisadas.

Furlan disse ainda que a tendência agora é de que o mercado passe a aceitar compra de produtos com preços fixos, porém, as margens agrícolas serão menores e será descontado valor suficiente para cobrir o “risco ANTT” (Agência Nacional de Transportes Terrestres), que é a responsável por fazer a tabela. “Com o aumento de custo do frete, perdeu-se a referência das compras antecipadas”, disse.

Luiz Antônio Fayet, representante da CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária) disse que a situação pode se agravar ainda mais do que as expectativas, tendo em vista que o setor agropecuário foi o que mais produziu no país no último ano e depende dos fretes para comercialização. “Nós representamos, no agronegócio, 32% de empregos no país. É onde somos competitivos”, disse Fayet.

Leia também:  Com ênfase no contexto da greve, AGU defende MP do tabelamento de frete no STF

A próxima reunião do CTLOG será no dia 26 de setembro e terá como convidado a o secretário de fomento do PPI (Programa de Parceria de Investimentos), Tarcísio Gomes de Freitas, para falar da tabela de frete e também sobre o valor negativo de outorga da Ferrovia de Carajás.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.