Setor elétrico ganha afago do Congresso com PL das distribuidoras e possível solução do GSF

Leila Coimbra, da Agência iNFRA

A Câmara dos Deputados aprovou, na noite de ontem (3), o requerimento de urgência do PL (projeto de lei) que viabiliza financeiramente as distribuidoras da Eletrobras para a privatização (PL 10.332/18). E é esperada para hoje (4) a aprovação do texto em plenário – com a inclusão de uma emenda que prevê a solução para o GSF (sigla do risco hidrológico), considerado o principal entrave do setor atualmente.

Para o setor elétrico, é como receber um afago do Legislativo, depois de tantos tropeços – e de projetos que foram ficando pelo caminho, como a MP (medida provisória) 814; e o PL 9.463/ 18, de capitalização da Eletrobras holding. A primeira caducou e o segundo não será levado adiante neste ano.

Mesmo o projeto que trata das distribuidoras da Eletrobras, cuja tramitação desemperrou ontem, ficou por mais de três semanas na pauta sem ser levado à votação.

GSF como única emenda
Nesta quarta-feira (4), deputados que integram a base do governo irão articular a votação do PL 10.332/18, no plenário, com apenas um item a mais ao texto original enviado pelo Executivo: a emenda que pretende resolver o GSF.

“Vamos tentar, estamos negociando [a aprovação e a inclusão do GSF]”, disse o deputado e ex-ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho (DEM-PE), à Agência iNFRA,na noite de ontem (3).

Foco é a privatização das distribuidoras
Para viabilizar a aprovação do PL, o acordo geral é: nenhuma emenda – exceto a do GSF. Esse item, no entanto, surgiu como uma novidade ontem. Até então, os apelos para a inclusão da solução para o risco hidrológico junto aos parlamentares partiam da iniciativa privada.

O PL 10.332/18 veio como um substituto da MP 814 mas, assim como a sua antecessora, recebeu um grande volume de emendas. Desfigurado, o projeto não cumpria com o seu objetivo principal, de viabilizar a venda das seis distribuidoras, e corria o risco de seguir o caminho da MP: não ser votado.

Articulação do governo com líderes
Mas este cenário mudou nas últimas duas semanas, e o governo vem se mexendo para destravar a área elétrica: inúmeras reuniões entre os líderes da base aliada e integrantes do Ministério de Minas e Energia, dentre eles o secretário-executivo da pasta, Marcio Félix, e também o presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Júnior, foram realizadas na tentativa de desemperrar a proposta.

O cronograma está agora nos 45 minutos do segundo tempo: precisa necessariamente ser aprovado nesta semana na Câmara e na próxima no Senado, para tornar viável o leilão agendado para o dia 26 de julho.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.