Setor elétrico fica dividido com notícia do adiamento do preço horário

Leila Coimbra, da Agência iNFRA

O setor elétrico ficou dividido com a notícia da nova postergação do PLD (preço de liquidação de diferenças) horário, desta vez para 1º de janeiro de 2021. Esta é a segunda vez que a mudança horária dos preços é adiada, já que a proposta inicial era implementar em 1º de janeiro de 2019, e depois em 1º de janeiro de 2020.

Segmentos como os de eólicas e termelétricas ficaram satisfeitos, pois queriam mais prazo para a adaptação ao novo modelo de preços. Essas duas fontes serão diretamente afetadas com a mudança, devido às suas características de intermitência. Já os grandes consumidores e os consumidores livres de energia, no entanto, criticaram novo alongamento da data de início do PLD horário.

O MME (Ministério de Minas e Energia) divulgou na quarta-feira (31) nota informando que a adoção do novo modelo será feita em duas etapas: em 2020, o ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) já começará a considerar a mudança nos seus despachos de operação, mas sem efeitos financeiros.

Mas somente a partir de 1º de janeiro de 2021 a CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica) iniciará a contabilização e a liquidação financeira das mudanças de preços a cada 60 minutos. A informação foi antecipada pela Agência iNFRA no início da semana.

Eólicas
A presidente da Abeeólica (Associação Brasileira de Energia Eólica), Elbia Gannoum, disse que considerou positiva a implementação em duas etapas. “Um dos pontos mais críticos que a Abeeólica colocou é que o modelo não estava suficientemente maduro para 2020. Foi uma decisão prudente do MME, que atendeu aos anseios do mercado. Um ‘test drive’ com o despacho e operação em 2020 pelo ONS vai criar crivilidade nos preços. Os agentes poderão entender primeiro como funciona o modelo para poder reproduzi-lo na tomada de decisões”, disse a executiva.

Térmicas
Para Xisto Vieira, presidente da Abraget (Associação Brasileira das Geradoras Termelétricas), a decisão também foi positiva. “É preciso primeiro colocar em prática, para ver como funciona. Também é necessário que haja a regulação adequada, porque o PLD horário pode provocar volatilidade de despacho, causando, dentre outros problemas, até mesmo a quebra dos equipamentos”, explicou.

Leia também:  Clima entre geradores e distribuidores azeda depois de 'força maior' e pacote de socorro demora a sair

De acordo com o executivo, “não se faz uma mudança como essa do dia para a noite”, pois é preciso ter melhor conhecimento dos programas e da operação. “Os agentes de geração poderão inclusive ser penalizados de forma injusta se não for feita corretamente essa implementação, com a regulação dando respaldo”, afirmou Xisto.

Consumidores livres
Já o segmento que representa o consumo industrial viu com reticência o novo adiamento: “No meu entendimento, todos os passos para valorização dos atributos, a segurança do mercado, seja financeira ou do abastecimento, davam condições para 2020”, afirmou Paulo Pedrosa, presidente da Abrace (Associação Brasileira dos Grandes Consumidores Industriais e Consumidores Livres).

Pedrosa diz que existe hoje uma pressão muito grande das novas tecnologias que acelera a necessidade de modernização do setor elétrico, e a postergação do PLD horário, segundo ele, atrasa essa evolução.

“Os setores que trabalham contra a modernização serão surpreendidos pelo ‘Uber’ da energia que está chegando. Haverá a contestação de consumidores”, disse. “Daqui a um ano essa discussão acontecerá novamente, e será um ano mais tarde, com todos os problemas aí. É pedalar mais um pouco e deixar o setor do jeito que está.”

“Hoje, o setor elétrico é um espaço onde todos serão alugadores de ativos e os consumidores pagam tudo na forma de encargos. Chegará o momento onde os consumidores se libertarão desse julgo “, completou o executivo.

Comercializadores
O segmento de comercialização é defensor da modernização do setor e também apoia a adoção do preço horário, segundo o presidente da Abraceel (Associação Brasileira das Comercializadoras de Energia), Reginaldo Medeiros. Mas ele acredita que, diante das incertezas, “talvez tenha sido a decisão mais prudente [adiar]”.

“Na verdade, isso representa bem o setor elétrico brasileiro, que sempre acaba postergando tudo. Mas existem incertezas e dificuldades de térmicas e eólicas”, explicou o presidente da Abraceel.

Leia também:  Reajuste médio das distribuidoras de energia dobrou em 2018

“Queremos a modernização do setor, cujo cerne é a abertura do mercado. E medidas importantes, desde a Consulta Publica 33, nunca foram tomadas”, afirmou. “Essa operação [PLD horário] está sendo acertada há um ano. Mas não se conhece exatamente o que foi decidido”, completou Medeiros.

Thymos: sem tirar o pé do acelerador
O presidente da consultoria Thymos, João Carlos Mello, achou adequada a decisão do MME de ir com mais calma, mas fez ressalvas: “Espero que não tirem o pé do acelerador, porque o mercado precisa dessa sinalização do preço e reduzir os encargos do sistema”.

“O PLD horário está parado há 20 anos no Brasil. Agora, com mudança de matriz, intermitência de eólica, existe a necessidade. E como o custo é horário, então o preço tem que acompanhar o custo”, explicou. “Foi mais prudente adiar, mas se desde 2017 tivessem sido tomadas as providências, já estaria funcionando.”

PSR: “uma pena”
O presidente da consultoria PSR, Luiz Barroso, lamentou o adiamento do preço, mas achou positiva a decisão de já marcar o início da operação no próximo ano: “Uma pena a entrada do PLD horário ter sido adiada para 2021. A boa notícia é que em 2020 oficialmente teremos a programação da operação sendo realizada utilizado um modelo com discretização semi-horária, o Dessem (programa computacional do preço horário), além de uma série de aperfeiçoamentos metodológicos no modelo de médio prazo”, declarou.

“Isso fornece mais transparência na operação. Entre mortos e feridos, de qualquer forma, foi bom ter aprovado a entrada do PLD horário em 2021. Até então não havia aprovação, era sempre expectativa e é sempre mais difícil impedir algo que está ‘contratado’, embora seja sempre possível que as mesmas pressões que forçaram o adiamento para 2021 possam forçar novo adiamento para 2022 e provoquem alteração do instrumento legal.”


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.