Rodovia do Aço é 3ª a pedir para devolver concessão

 

Bernardo Gonzaga, da Agência iNFRA

A concessionária Acciona protocolou, na terça-feira (10), pedido na ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) de adesão à devolução amigável de concessão para relicitação. A companhia espanhola administra 200,4 quilômetros da rodovia BR-393/RJ, da divisa MG/RJ ao entroncamento com a BR 116 (Via Dutra). O trecho concedido é conhecido como Rodovia do Aço.

O processo de relicitação, contudo, permanece impedido até que o governo federal sancione o decreto que autoriza o procedimento, previsto na Lei 13.448/2017. O trecho foi concedido em março de 2008, com prazo de 25 anos. A concessionária praticamente não executou o plano de investimentos previsto pelo leilão.

Em nota, a Acciona disse que “continuará a envidar todos os esforços para continuar operando a estrada com segurança para os usuários até o final do processo de devolução”, mas não informou a porcentagem de obras operadas no trecho concedido.

A Acciona é a terceira companhia a devolver concessões após a aprovação da lei. No ano passado, a Invepar entrou com processo para devolver a concessão da Via 040, trecho da BR-040/DF-GO-MG, assumida pela empresa em 2013. A empresa avaliou que as condições econômicas impediriam o cumprimento do contrato. Quem também pediu a devolução foi a Aeroportos Brasil, concessionária do Aeroporto de Campinas (SP), alegadamente por motivo semelhante.

Decreto
Nos três casos, o governo não tem o que fazer além de manter a concessão no atual estado, mas sem os investimentos previstos. Isso porque é necessário um decreto para que o governo possa definir as regras para receber a via e relicitá-la. A medida tramita em diferentes esferas do governo desde o ano passado e ainda não há previsão para a edição final do texto.

Há dois problemas para serem solucionados: multas que devem ser aplicadas ou não às concessionárias e como suspender as obrigações dos contratos até que uma nova empresa assuma as concessões. As obrigações legais, se cumpridas, poderiam inviabilizar economicamente a devolução, na avaliação de parte dos integrantes do governo. Outra parte diz que não haveria como abrir mão dessas obrigações legais.

A falta de definição preocupa especialmente os bancos privados que fizeram empréstimos de curto prazo para parte das concessionárias, aguardando que o BNDES concedesse os empréstimos de longo prazo para as obras – o que acabou não ocorrendo em parte delas. Com isso, os banco estão rolando uma dívida estimada em R$ 4 bilhões, evitando a execução das empresas, enquanto aguardam a definição pelo governo.

O problema é que o custo para a rolagem das dívidas é cada vez maior para as empresas, o que pode fazer com que elas entrem em default. A Casa Civil informou que não recebeu ainda o decreto. O PPI (Programa de Parcerias de Investimentos) disse que recebeu, mas fez alguns ajustes no texto e devolveu ao Centro de Estudos Jurídicos da Presidência. O Ministério dos Transportes, Portos e Aviação não respondeu aos questionamentos da Agência iNFRA.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.