Crédito: Marcelo Casal/Agência Brasil

“Risco judicial”assombra setor elétrico

 

Leila Coimbra, da Agência iNFRA

Nas últimas 48 horas, o setor elétrico foi assombrado por decisões inesperadas da Justiça, que espalharam a insegurança entre os investidores. Nesta quinta-feira (28), um juiz de Brasília concedeu liminar em favor de uma empresa que havia sido desqualificada para o leilão de linhas de transmissão de energia, a Jaac, o que atrasou a licitação na B3 por mais de sete horas. Por pouco o certame não teve que ser adiado.

No dia anterior (27), o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Ricardo Lewandowski proibiu o governo de privatizar as distribuidoras que estão sob o controle da Eletrobras sem a prévia autorização do Congresso. Estatais nunca precisaram antes de autorização do Legislativo para vender as ações de suas empresas controladas.

Lewandowski ainda concedeu uma outra liminar que suspende o leilão da Ceal, empresa de energia de Alagoas, uma das seis distribuidoras que a Eletrobras pretende vender em leilão no dia 26 de julho.

Isso sem contar a profusão de liminares que travam o mercado de curto prazo de energia na CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica), que hoje impede os pagamentos de mais de R$ 6 bilhões em débitos. O problema é considerado um dos maiores entraves da área elétrica atualmente.

Motivo de piada e gargalhadas do público
Ontem, enquanto todos aguardavam notícias sobre a realização ou não do leilão de transmissão, o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Ronaldo Fonseca, arrancou gargalhadas ao dizer, em discurso na B3, que o Brasil é um país que dá “segurança jurídica” aos investidores que estavam presentes.

Fonseca é o substituto de Moreira Franco – que agora responde pelo Ministério de Minas e Energia –, na Secretaria-Geral, e o atual responsável pelo PPI (Programa de Parcerias e Investimentos).

Leia também:  Solar manterá subsídio por 25 anos para contratos vigentes, acordam ANEEL e associações

Saia-justa
As decisões da Justiça vêm provocando saias-justas. Ontem, executivos de vários países, assessores e jornalistas passaram toda a manhã e parte da tarde na sede da bolsa de valores em São Paulo sem saber ao certo o que iria acontecer.

A certa altura, por volta do horário do almoço, os presentes foram liberados para comer “alguma coisa” e depois voltaram para a B3, em um clima geral de constrangimento.

O juiz só atendeu após o almoço
Informações de bastidores apuradas pela Agência iNFRA dão conta de que o juiz de Brasília que concedeu a liminar só atenderia as outras partes envolvidas na ação após as 14h30. Isso causou revolta em alguns dos advogados que estavam tentando derrubar a liminar – de um leilão que estava agendado para as 9 da manhã.

“Acho que ele não quis mudar a agenda dele e talvez não entenda a relevância do leilão… todos os investidores esperando lá na B3…”, disse uma fonte a par do que ocorreu.

Advogados também reclamaram da decisão do juiz de impedir todo o certame, já que a empresa que foi desqualificada, a Jaac, discordava apenas de um lote específico.

ANEEL: Jogo decidido depois dos 90 minutos
O diretor da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) André Pepitone ficou até o fim do leilão, que terminou depois das 21h, resumiu da seguinte forma os acontecimentos: “Começamos o dia com muita emoção. Fazendo um paralelo com a Copa, foi aquele jogo decidido depois dos 90 minutos”, disse Pepitone.

Depois de liminar, leilão de linhas de transmissão é sucesso e tem deságio de até 74%

Depois da novela judicial, o leilão de linhas de transmissão da ANEEL ocorreu – com mais de sete horas de atraso – mas foi considerado “um sucesso”. Todos os 20 lotes foram arrematados com muita disputa: o deságio médio foi de 55,2%, e o ativo mais disputado chegou a ter “desconto”de 75% (pela CTEEP, no lote 10).

Leia também:  Corte dos subsídios representará R$ 12,6 bilhões a menos nas tarifas, diz ANEEL

“Os deságios conseguidos hoje foram os maiores dos últimos 20 anos”, disse Sandoval Feitosa Neto, diretor da ANEEL.

A economia na conta de luz para os consumidores com a disputa chegou a R$ 14,184 bilhões, segundo a agência reguladora. Significa o volume de recursos aos quais as empresas abriram mão para levar o direito sobre os ativos.

A grande vencedora do leilão foi a indiana Sterlite Power Grid, que ficou com seis dos 20 lotes ofertados e assumiu investimentos de R$ 3,6 bilhões de um total de R$ 6 bilhões a serem colocados nos projetos.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.