Revisão tenta compatibilizar normas da ANP e da ANTAQ sobre terminais de combustíveis

Tales Silveira, da Agência iNFRA

A proposta de revisão da Portaria 251/2000 da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), cuja audiência pública foi anunciada na última quarta-feira (15), tentará compatibilizar normas da agência reguladora do setor de combustíveis e derivados com as da ANTAQ (Agência Nacional de Transportes Aquaviários).

A proposta objetiva atualizar regras para acesso de terceiros a terminais aquaviários de petróleo e combustíveis. Segundo a agência, é necessário adaptar as regras da agência à Lei de Portos (12.815/2013) e às normas que a ANTAQ criou ao longo do tempo para regulamentar a lei.

A resolução proposta tenta ainda harmonizar as regras com a Resolução ANP 35/2012, que trata do livre acesso a dutos de transportes longos (com mais de 15 km), com interconexão entre terminais aquaviários e dutos, e com aqueles que serão definidos em função da revisão da Portaria ANP 170/2002, que trata do regulamento técnico de terminais.

Estarão sujeitos a esta resolução os terminais aquaviários, situados dentro ou fora da área do porto organizado. O prazo da consulta pública é de 60 dias e uma audiência pública para debater o tema está marcada para o dia 15 de abril. Os documentos relacionados à consulta e à audiência públicas, além dos procedimentos para participação, estão neste link.

Nos últimos anos, houve forte crescimento do setor de terminais de combustíveis no país, que no início da década chegou a gerar preocupação sobre um possível apagão por falta de oferta.

Entre 2015 e 2017 foram realizadas seis licitações de terminais portuários em portos públicos, enquanto entre os anos de 2018 e 2019 foram realizadas 22. Foram feitas ainda autorizações para instalações de terminais privados. Atualmente, existem 61 terminais aquaviários autorizados a operar petróleo e combustíveis, sendo 52 terminais marítimos, sete fluviais e dois lacustres.

Leia também:  iNFRADebate: “BR do Mar” – Uma estrada rumo ao fundo do poço ou ao desenvolvimento?

Querosene de Aviação
A preocupação agora é atender o setor de aviação, cujas restrições na distribuição de combustível estão entre as identificadas pelo governo como inibidoras da ampliação da concorrência.

A ABEAR (Associação Brasileira das Empresas Aéreas) informou em nota que avaliou como positiva a iniciativa de revisão da Portaria ANP 251/2000, mas disse que ainda não consegue calcular o impacto dessa revisão no preço do QAV (querosene de aviação), que, atualmente, “é um dos mais elevados do mundo”.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.