Reunião de diretoria da ANEEL com presença de parlamentares causa polêmica

Leila Coimbra e Tales Silveira, da Agência iNFRA

Uma reunião ordinária de diretoria da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) na última terça-feira (15) causou polêmica no setor elétrico após a participação da bancada parlamentar de Rondônia na discussão da pauta do colegiado. Sob a liderança do senador Marcos Rogério (DEM-RO), que discursou contra o processo de RTE (Revisão Tarifária Extraordinária) da Energisa Rondônia (antiga Ceron), o grupo pressionava para que não ocorressem aumentos nas contas de energia.

No fim, a ANEEL negou o pedido de RTE para a Energisa Rondônia, para a Energisa Eletroacre e também para a Equatorial Piauí. As três empresas foram privatizadas no ano passado e, pelas regras do contrato de concessão, após o leilão, têm o direito a uma revisão tarifária extraordinária. Na RTE, além de reajustar pela inflação os custos, a agência também reavalia a base de ativos da concessionária, permitindo que investimentos realizados sejam incorporados às tarifas.

Marcos Rogério: “Abusivo”
Segundo o senador Marcos Rogério, um aumento de tarifa para a população de Rondônia graças à revisão tarifária extraordinária seria “abusivo”. No ano passado a empresa teve direito a um reajuste tarifário de 25%.

“Tanto o acordo assinado quanto as regras da ANEEL colocam que RTE será possível mediante uma situação que altere a realidade econômica e financeira da empresa. Como não houve nenhuma alteração substancial na empresa, não existe lastro para esse reajuste, que seria abusivo”, disse ele à Agência iNFRA

Ações refletiram medida
A decisão da ANEEL fez com que as ações da Energisa e da Equatorial despencassem na B3, e agentes do setor privado disseram que houve interferência política em uma decisão técnica do órgão regulador. Uma fonte do setor disse que existe o risco de judicialização, porque a agência está “rasgando contratos”.

Leia também:  Portugal e Espanha, que cobram pelo uso do fio elétrico, trocam experiências com o Brasil sobre geração distribuída

Pepitone: laudos técnicos
O diretor-geral da ANEEL, André Pepitone, disse à Agência iNFRA que a decisão da diretoria baseou-se exclusivamente em laudos técnicos feitos pela Superintendência de Fiscalização Financeira.

Em duas fiscalizações “in loco” feitas em setembro na Energisa Rondônia, os técnicos da ANEEL não conseguiram comprovar a existência física de todos os ativos da concessionária, e não havia o BDGB (Banco de Dados Georeferenciado da Distribuição). Os dados físicos e contábeis não coincidiam, disseram os técnicos.

“Não tínhamos segurança nos dados para avançar no processo de revisão tarifária. Não havia conciliação físico-contábil”, disse Pepitone. Segundo o diretor-geral, a negativa desta terça não impede que as empresas refaçam os pedidos de RTE mais à frente, com mais respaldo técnico. “Não estamos impedindo a RTE, mas é preciso melhorar os dados”.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.