Relatório do PL do risco hidrológico exclui emendas do Brasduto e da Cemig e voltará ao Senado se aprovado

Lucas Santin, da Agência iNFRA

O relatório do PL 10.985 – que dá solução para a dívida de R$ 7 bilhões do risco hidrológico – lido na última terça-feira (18) na CME (Comissão de Minas e Energia) pelo deputado Benes Leocádio (PRB-RN) excluiu duas medidas que estavam no texto original aprovado pelos senadores no ano passado.

Leocádio excluiu: 1) a emenda de criação do Brasduto, um fundo para construção de gasodutos com recursos do pré-sal; e 2) o item que beneficiava a Cemig (Companhia Energética de Minas Gerais), tratando da renovação de suas concessões.

Se o relatório for aprovado pela comissão de acordo com o parecer do relator, voltará ao Senado para nova apreciação.

Daqui a duas semanas
Após a leitura do relatório, o deputado Édio Lopes (PL-RR) solicitou que a discussão do PL 10.985 fosse adiada, impedindo a votação do parecer. A discussão acerca do projeto foi então prorrogada por duas sessões, e retornará à pauta daqui a duas semanas, já que pelo regimento há uma reunião ordinária semanal da CME.

Segundo o deputado relator, houve discordância a respeito da empresa mineira. “A preocupação do deputado Édio era exatamente a questão da Cemig. Já falou comigo posteriormente, mas não tem alteração”, disse, sinalizando que não irá alterar o relatório lido na terça. O projeto voltará à pauta da comissão em duas semanas e, segundo Benes, será votado.

Brasduto
A criação do Brasduto também ficou fora do parecer lido por Leocádio. “No nosso relatório inicial já excluía. Não mudou nada”, disse o relator, lembrando do parecer feito por ele mesmo em abril passado, mas que ainda não havia sido lido na comissão.

“Na nossa visão, a criação do Brasduto levará a ineficiências (…) Há ainda a grande possibilidade de que alguns projetos [gasodutos] não atinjam estabilidade financeira, causando perdas de recursos do pré-sal”, afirmou o relator em seu discurso na comissão.

Leia também:  PL do risco hidrológico é aprovado na Câmara com Brasduto e Cemig, mas voltará ao Senado

Acordos anteriores
A expectativa do MME (Ministério de Minas e Energia) era que o PL 10.985 fosse aprovado com o texto original, como veio do Senado. Isso porque a solução para o GSF (sigla em inglês para o risco hidrológico) é pauta prioritária em relação ao setor elétrico, e manter o relatório sem alterações aceleraria sua tramitação.

O governo combinou que os itens polêmicos, como as emendas do Brasduto e da Cemig, seriam vetados pela Presidência da República.

Mas houve um contato entre o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e o presidente da CME, Silas Câmara, em que o ministro disse que não cabe ao governo incluir ou excluir emendas em um projeto de lei, mas aos parlamentares. Isso alterou o pacto que já havia sido firmado entre o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e o presidente da comissão, e o relatório foi então apresentado sem as duas emendas polêmicas.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.