Projeto que anula a inclusão da Eletrobras em programas de desestatização entra na pauta da CME

Leila Coimbra, da Agência iNFRA

Está na pauta da CME (Comissão de Minas e Energia), na próxima quarta-feira (29), o PDL (projeto de decreto legislativo) que anula a inclusão da Eletrobras no PND (Programa Nacional de Desestatização) e no PPI (Programa de Parcerias de Investimentos).

De autoria de um grupo de deputados do PT e do PDT, liderados por Henrique Fontana (PT-RS), o PDL 918/18 anula o decreto presidencial 9.351, de 19 de abril de 2018, editado pelo então presidente Michel Temer, que autoriza a privatização da estatal.

Relatório de deputada
A deputada Greyce Elias (Avante-MG), relatora do projeto, apresentará na quarta o seu parecer – pela aprovação da retirada da Eletrobras dos programas de privatização – o que pode atrasar ainda mais o processo de capitalização da companhia.

Segundo o relatório, a inclusão da estatal de energia elétrica no PDN precisa de autorização legislativa e que, ao fazer isso por decreto, “o Poder Executivo Federal claramente extrapola seu poder regulamentar”.

União não pode ter menos que 51%
A parlamentar também argumentou em seu parecer que existe Lei que determina que a União não pode reduzir para menos de 51% a sua participação na estatal: “Adicionalmente, observamos que persiste a vigência do caput do artigo 7º da Lei 3.890-A, de 1961, que dispõe que, nas emissões de ações ordinárias da Eletrobras, a União deverá subscrever o suficiente para lhe garantir o mínimo de 51% do capital votante”.

Medida provisória 814
O Decreto 9.351 foi publicado quando estava em vigor a MP (medida provisória) 814, que tinha um artigo tratando da inclusão da empresa estatal de energia no PND.

Mas o parecer elaborado pela deputada diz que, como a MP 814 perdeu a validade em 1º de junho de 2018, “voltou a vigorar plenamente o §1º do artigo 31 da Lei 10.848, de 2004, que excluiu a Eletrobras e suas controladas Furnas, Chesf, Eletronorte, Eletrosul e a CGTEE do PND, o que determina a ilegalidade do decreto, por contrariar frontalmente o disposto na Lei”.

Leia também:  Medida Provisória prevê 50% dos recursos da venda de Tucuruí para diminuir impacto tarifário

Ministro descartou PL
Na semana passada, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, disse que não imagina enviar um PL (projeto de lei) ao Congresso para tratar da capitalização da Eletrobras. O ministro fez a afirmação na última terça-feira (22).

Bento foi questionado por jornalistas sobre a possibilidade de um PL, na ocasião, e respondeu com uma negativa: “Não, não. O modelo de capitalização da Eletrobras nós não imaginamos como projeto de lei. Mas temos que ter alguma atenção porque tem Itaipu, que faz parte do grupo Eletrobras, temos a Eletronuclear, e o Cepel. E temos que tratar o desmembramento”.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.