Crédito: Divulgação

Projeto de lei não alivia incertezas em relação à venda das distribuidoras da Eletrobras

 Leila Coimbra, da Agência iNFRA

 O governo federal encaminhou ao Congresso Nacional, na sexta-feira (1º), um PL (projeto de lei) que preserva dispositivos da MP (medida provisória) 814, para destravar a venda das seis distribuidoras da Eletrobras.

O PL foi avaliado pelo mercado como “melhor” que o texto original da MP 814. Segundo o especialista em energia, Adriano Pires, diretor do CBIE (Centro Brasileiro de Infraestrutura), a nova redação é mais clara no reconhecimento de custos e proporciona mais segurança em relação ao reconhecimento das medidas pelos órgãos reguladores.

Mas, ao contrário de uma medida provisória, que tem validade legal a partir da sua edição, o projeto de lei precisa ser aprovado na Câmara e no Senado para que os benefícios sejam válidos. Assim, permanecem as dúvidas a respeito da realização do leilão das seis empresas.

Dificuldade na venda 
Teoricamente, a privatização das companhias pode ser feita, já que o TCU (Tribunal de Contas da União) aprovou o edital na última quarta-feira (30). Mas, sem os dispositivos previstos na MP 814 para a atratividade das empresas, ficaria mais difícil vender alguns ativos.

As seis distribuidoras que serão colocadas à venda são: Amazonas Energia (AM); Boa Vista Energia (RR); Ceron (RO); CEA (AC); Ceal (AL); e Cepisa (PI).

Amazonas provavelmente sem comprador
No caso de realização do certame antes da aprovação do projeto de lei, provavelmente não haveriam interessados na distribuidora do Amazonas , segundo uma fonte que está a par do assunto.

Com a caducidade da MP 814 desde o dia 1º de junho, a União não pode realizar o aporte de até R$ 3,5 bilhões para cobrir ineficiências e ressarcimento de gastos com a compra de combustível para termelétricas que fornecem nos sistemas isolados, pré-requisito essencial para tornar a Amazonas Energia atrativa.

A medida provisória estendia o prazo para esse pagamento até 31 de dezembro de 2018, e o projeto de lei propõe até 2019. Mas, sem a MP, o prazo original, em 2017, está valendo. Portanto, o prazo está vencido.

Outros dispositivos da medida provisória, como, por exemplo, a concatenação dos contratos de venda de energia e de fornecimento de gás no Amazonas, também prejudicam a venda da distribuidora daquele estado.

As empresas de Rondônia e do Acre, Ceron e CEA, respectivamente, também precisam de dispositivos da MP 814 que reconheciam custos, mas em valores menores do que os da Amazonas.

Ceal e Cepisa não dependiam da MP 814
Mas, no caso das distribuidoras Cepisa e Ceal, não há nenhum impedimento para que sejam vendidas, pois a MP 814 não tinha implicações com essas empresas, segundo a fonte.

Governo ainda não definiu
De qualquer forma, ainda não há uma definição do governo sobre os próximos passos em relação à venda das distribuidoras. Integrantes do Executivo planejam reuniões com os presidentes da Câmara e do Senado nos próximos dias na tentativa de convencimento da aprovação do PL em regime de urgência. Querem sentir o humor dos parlamentes antes de tomar novas decisões.

Eletrobras deverá estender prazo
Os acionistas da Eletrobras definiram que a empresa ficará à frente da operação das distribuidoras até 31 de julho. Mas esse prazo deverá ser prorrogado em nova assembleia, mesmo que o leilão ocorra em breve.

A estatal estima que serão necessários pelo menos 90 dias para o processo de transferência do controle das distribuidoras aos novos donos. Por isso, mesmo que o leilão ocorra até junho, o prazo para a empresa continuar à frente das distribuidoras precisará ser estendido.

 


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.