Procuradoria quer abrir debate com governo sobre concessão da Ferrovia Norte-Sul

da Agência iNFRA

O coordenador da 3ª CCR do MPF (Consumidor e Ordem Econômica), Antonio Augusto Aras, disse que o órgão trabalha para o aprimoramento do sistema ferroviário do país e que, por esse motivo, fez a recomendação para que o governo suspenda o edital de concessão da Ferrovia Norte-Sul, cujo leilão está marcado para 28 de março.

Em entrevista à Agência iNFRA, Aras disse que o pedido enviado ao governo é uma tentativa de abrir um canal de diálogo com os responsáveis pela concessão. Ele afirmou que a procuradoria está preocupada com o que vai ocorrer com a ferrovia em caso de não haver a concessão, mas que é necessário zelar pelo interesse público.

“Não fomos eleitos e não queremos nos meter na gestão do governo. Mas é nossa função zelar pelo interesse público”, afirmou o subprocurador-geral.

Na recomendação de 10 páginas enviada ao governo, os procuradores mostram forte incômodo com o modelo ferroviário adotado para a concessão, o vertical (um mesmo concessionário para operação da via e dos trens).

Aras afirmou que esse modelo é ultrapassado, lembrando que é o mesmo que funciona no Brasil desde a Rede Ferroviária e que levou o país a um atraso no desenvolvimento das ferrovias.

Outros problemas apontados por Aras no documento é a baixa velocidade do sistema ferroviário, de apenas 16 km/h em média, o que corresponde à velocidade média de todo o sistema. Segundo ele, o país não pode continuar convivendo com uma operação que tem velocidades abaixo do que se praticava no século XIX.

A procuradoria também aponta problemas com a parte do edital que trata da conclusão das obras que a Valec não vai fazer. Na interpretação dos procuradores, isso deixaria riscos para o governo assumir em caso de problemas com o novo concessionário. Em reunião recente no Senado, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, afirmou que os riscos estão sendo passados para o concessionário.

Leia também:  TCU Analisa VLT de Cuiabá e obra na Ferrovia Norte-Sul

Aras afirmou que a intenção do documento foi abrir uma mesa de diálogo com o governo para que se possa chegar à melhor maneira de desenvolver o sistema ferroviário.

“Não há descarte de nossa parte de reconsiderarmos pontos, se formos convencidos num processo de diálogo que temos que ter [com os órgãos do governo]”, disse o procurador que aguarda para os próximos dias as respostas da ANTT e do ministério sobre a recomendação.

Segundo Aras, a PGR também está monitorando o pedido feito ao Supremo Tribunal Federal para considerar parte da Lei 13.448/2017 que trata de ferrovias como inconstitucional e também ações populares que tentam barrar o leilão, entre elas a da Ferrofrente (Frente Nacional pela volta das Ferrovias).


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.