Preocupação com acesso ferroviário é destaque em audiência pública no Porto de Santos

Rodrigo Zuquim, da Agência iNFRA

O acesso ferroviário foi o ponto mais questionado na audiência pública sobre as áreas que serão leiloadas no Porto de Santos destinadas à movimentação de celulose.

A ANTAQ (Agência Nacional de Transportes Aquaviários) realizou na última sexta-feira (25) a audiência pública 9/2019, para a realização dos leilões das áreas STS 14 e STS 14A, localizadas na região da Ponta da Praia, em Santos (SP), e parte da carteira de projetos do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos).

Regis Prunzel, representante do TES (Terminal Exportador de Santos), apontou dificuldades no acesso e a necessidade de se equacionar os conflitos relacionados à Margem Direita do porto para que o trem possa chegar no seu destino. Segundo Prunzel, as linhas atuais já estão saturadas.

Para Flávio da Rocha Costa, da Eldorado Brasil, fabricante de celulose interessada nas áreas, é preciso esclarecer qual segurança a empresa terá para investir e ter o armazém e a estrutura prontos para receber os trens.

Na mesma direção manifestou-se Leonardo Ribeiro, representante da ABTP (Associação Brasileira dos Terminais Portuários), para quem a questão a respeito da melhoria da malha ferroviária é urgente. A preocupação maior, segundo Ribeiro, é saber se os terminais conseguirão atender toda a demanda com o sistema ferroviário que existe.

A advogada da FIEMT (Federação das Indústrias no Estado de Mato Grosso) Monicke Sant’Anna Arruda qualificou a malha ferroviária como deficitária, e o diretor de Supply Chain da produtora de celulose Bracell, Alberto Pagano, definiu-a como “fator preocupante”.

As manifestações foram bem acolhidas pela mesa diretora, integrada por representantes do Ministério da Infraestrutura, da ANTAQ, da Codesp (Companhia Docas do Estado de São Paulo) e da EPL (Empresa de Planejamento e Logística). O coordenador de Portos da EPL, Fernando Corrêa dos Santos, afirmou que os aspectos técnicos sobre a modelagem ferroviária estão em discussão e serão resolvidos.

Leia também:  TCU confirma que nova empresa tem que assumir terminais da Libra até maio de 2020

Área da Libra
Os terminais STS 14 e STS 14A compõem a área em que estava localizado o terminal de contêineres da Libra, cujo contrato foi extinto por determinação do TCU (Tribunal de Contas da União).

As áreas têm, respectivamente, 31.018 m² e 34.975 m², e capacidade de armazenamento de 97 mil toneladas e 125 mil toneladas de celulose, com necessidade de investimentos de R$ 133,9 milhões e R$ 145,9 milhões. Ambas serão atendidas por três berços de atracação contíguos, além de contar com conexões rodoviárias e ter acesso às linhas férreas do porto.

Os editais devem ser lançados no primeiro trimestre de 2020, e os leilões, no segundo trimestre, de acordo com o cronograma do PPI. As informações e documentações referentes à audiência pública 9/2019 podem ser acessadas neste link.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.