PPI ganha novas atribuições para apoiar PPPs e Concessões municipais

Dimmi Amora, da Agência iNFRA

A Secretaria do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos) ampliou seu foco de atuação e vai passar a apoiar concessões e PPPs em estados e municípios do país e auxiliar na solução para a retomada de grandes obras paradas.

É o que determina o Decreto 9.669, publicado na quarta-feira (2) pelo governo, que estabeleceu as novas funções do órgão e sua organização interna, que também foi alterada.

A SPPI foi mantida como secretaria especial, mas vinculada agora à Secretaria de Governo, comandada pelo general Santos Cruz. O decreto fortaleceu o órgão, colocando como suas atribuições fazer os trabalhos de coordenação e supervisão dos processos de concessão do governo federal, o que já vinha sendo realizado, mas agora está estabelecido formalmente.

Mas não houve somente essas alterações. Duas atribuições que estavam ligadas ao extinto Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão foram repassadas à SPPI. A primeira é a gestão do FAEP (Fundo de Apoio à Estruturação de Parcerias), criado na mesma lei que fez o PPI, mas que até hoje ficou pouco utilizado.

A ideia do Fundo era obter recursos para fazer estruturação de projetos de concessões, além de tornar a contratação das empresas para estudos mais ágil. Mas a ideia acabou sendo pouco utilizada, o que deverá ser alterado agora.

A outra atribuição é que o PPI passará a ser o órgão executivo do CFEP (Conselho de Participação no Fundo de Apoio à Estruturação e ao Desenvolvimento de Projetos de Concessão e Parcerias Público-Privadas da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios). Esse conselho estava sendo gerido pela Caixa e sua intenção também era ampliar a forma de acesso de estados e municípios para a elaboração de projetos de PPPs e concessões.

O diagnóstico corrente é que boa parte dos municípios tem pouca capacidade de estruturar projetos de concessões, o que acaba reduzindo a quantidade possível de investimentos em infraestrutura. A ideia é auxiliar os municípios e governos estaduais a ter projetos de melhor qualidade e, assim, ampliar as possibilidades de parcerias e geração de empregos.

Mudanças internas
O decreto também deu poder ao PPI para trabalhar nos chamados projetos especiais. São grandes obras de infraestrutura pública do país que estão paradas e têm cunho estratégico, sem uma solução adequada, algumas há mais de uma década. Exemplos dessas obras que poderão a vir compor a carteira do PPI são: a usina nuclear de Angra 3, a Transnordestina e a Transposição do São Francisco.

“A ideia do governo Bolsonaro de trazer esses projetos estratégicos de grande porte para o PPI é resolvê-los, dar solução legal, sustentável e rápida! E nós vamos fazer isso”, afirmou o secretário do PPI, Adalberto Vasconcelos, que vai permanecer no cargo.

Outra mudança interna no órgão é a criação de uma secretaria para assuntos ambientais e de desapropriações. De acordo com Vasconcelos, a ideia é que os projetos passem a ter uma análise ambiental prévia, para auxiliar na forma como eles são analisados pelos licenciadores e, assim, tornar as licenças e a execução mais eficientes.

Técnicos do Ibama devem compor essa nova secretaria. Além da secretaria ambiental e a de obras estratégicas, a SPPI terá ainda os secretários de transportes e de energia e aeroportos.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.