PL do Free Flow quer obrigar colocação de chip em veículos

Dimmi Amora, da Agência iNFRA

O novo relatório do Projeto de Lei 08/2013 da Câmara, que trata da cobrança de pedágio em modo free flow, aprovado pela Comissão de Infraestrutura do Senado no final do ano passado, introduziu a obrigação de o Contran regulamentar dispositivo eletrônico obrigatório em todas as placas de carros.

O dispositivo obrigatório terá que ser regulamentado em 180 dias, caso a lei seja aprovada como está. Ela agora será avaliada pela CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado.

Essa obrigatoriedade do chamado chip nos veículos já foi tentada em outros projetos de lei e em decisões do Contran sobre o tema e sempre foi vetada. Além de implicar em um custo obrigatório para os motoristas, semelhante a outros já impostos pelas leis de trânsito, no caso do chip não há segurança de que ele seja efetivo.

A nova tentativa de colocar o chip também está presente no substitutivo ao Projeto de Lei que o governo enviou à Câmara para mudar o CTB (Código de Trânsito Brasileiro). No caso do CTB, o dispositivo é ainda mais rígido e prevê até o tipo de identificação que o chip deverá ter.

Instrumentos de identificação
Hoje no Brasil os veículos têm vários tipos de identificação além da placa. Cerca de 8 milhões estão com as chamadas TAGs de empresas privadas que permitem o uso para pagamento de pedágios, estacionamentos, entre outros.

A ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) obriga os veículos de carga a ter um identificador com o chamado QR Code, uma impressão gráfica que permite que os sensores da agência espalhados pelo país possam identificar os veículos por meio desse código que é próprio para cada veículo. Há sensores capazes até mesmo de ler as placas dos veículos, cujo padrão Mercosul também exige este instrumento de identificação.

Leia também:  Audiência para renovação da MRS será ampliada em mais 45 dias, decide ANTT

A nova tentativa de obrigar a colocação do chip poderá reduzir investimentos que já estão sendo trazidos para o país de empresas da área de meios de pagamento, que estão trabalhando em formatos até mesmo com uso de celulares para fazer o pagamento do free flow.

O governo foi alertado de que se o projeto passar como está pode ser criado um novo “kit primeiros socorros” dos carros e se comprometeu a não apoiar o dispositivo nas comissões em que ele vai tramitar.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.