ONS está submetido à jurisdição do TCU

da Agência iNFRA

O TCU (Tribunal de Contas da União) manteve, na sessão de 30 de outubro, a decisão do órgão, de 2017, de que o ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) está submetido à fiscalização do órgão de controle. Na época, a decisão foi unânime.

Em recurso, o ONS alegou que sua constituição é diferente da de um órgão público e, por isso, não deveria estar submetido à fiscalização do TCU. Dois ministros, Benjamin Zymler e Bruno Dantas, votaram a favor de que o órgão não ficasse submetido ao TCU, alegando que a fiscalização tem que ser feita na ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), a quem o ONS está submetido.

Dantas chegou a alegar, em agosto, que esse duplo controle poderia “desestabilizar” o sistema elétrico. Zymler, que é engenheiro de formação e trabalhou na Eletrobras, concordou com o colega Dantas e acrescentou que via a decisão como desnecessária e que o TCU devia fiscalizar somente a ANEEL.

“Precisamos limitar a nossa ânsia de abarcar o mundo com as mãos”, afirmou Zymler, na ocasião.

Mas a relatora do recurso, ministra Ana Arraes, considerou que o ONS cumpre funções de órgão público e, por isso, deve ser fiscalizada pelo tribunal. Ela foi acompanhada pelo ministro Walton Alencar, que já havia votado em agosto com a relatora, apontado que o ONS não passava dados ao TCU quando havia fiscalizações, especialmente em relação aos despachos fora da ordem do mérito.

Na votação em agosto, o ministro Vital do Rêgo havia pedido vista. Relator do primeiro processo que submeteu o ONS ao TCU em 2017, Vital manteve sua decisão anterior, alegando que o ONS é responsável por fazer cumprir determinações que estão na Constituição como sendo do poder público e, por isso, deve ser fiscalizado pelo tribunal.

Leia também:  Cabotagem: caminho mais barato da carga bloqueado por burocracia, cartel e falta de planejamento

O voto final foi dado pelo ministro substituto Augusto Sherman, que também alegou dificuldades para obter dados do ONS. O ministro alertou para o caráter sui generis do ONS e o cuidado que o tribunal terá que ter em sua fiscalização.

“Precisamos ter muito cuidado para exercer a sua competência no ONS porque não se trata de um órgão público como os demais”, afirmou Sherman.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.