O voto dos brasileiros

Dimmi Amora, da Agência iNFRA
 A indefinição parece ser o único consenso entre políticos e analistas sobre o pleito para escolher o próximo presidente da república, daqui a menos de quatro meses. Nenhum candidato desponta para garantir a eleição já no primeiro turno ou se consolida para garantir estar no segundo, o que ocorreu em todas as eleições do período democrático.

As indicações dadas pelas pesquisas até o momento apontam para um cenário de segundo turno com extremos, à direita e à esquerda, com os candidatos de centro patinando em patamares baixos. E uma forte tendência ao não voto (indecisos, nulos, branco, não votantes). Pesquisas, no entanto são um indicador apenas e, num momento como o atual, não parecem dar pistas muito seguras sobre o que vai ocorrer em outubro.

Há elementos mais concretos a conduzir as análises, deixados pelas duas eleições para governador em estados, Amazonas e Tocantins, realizadas nos últimos 12 meses. Ambas tinham, no momento anterior ao voto, características assemelhadas ao pleito federal: quadro de indefinição no início, candidatos dos polos, alianças partidárias difíceis, uso da máquina, tentativa de entrada de novos players políticos.

E qual foi o comportamento do eleitor no voto, que afinal é o que vale?

Nos dois pleitos, a primeira característica é o não voto elevado, na faixa dos 45%/50%, o que parece ser consenso que vai ocorrer também no pleito presidencial. Outra característica foi que, na hora de decidir, o eleitor optou por posições mais de centro, isolando os polos mais radicais da disputa, e de políticos tradicionais, identificados como mais conservadores. O voto decisivo veio do interior e não das capitais.

Outras características: venceram os pleitos (1o e 2o turnos) candidatos com maior articulação com lideranças locais, máquina e coligações partidárias, ultrapassando no fim os candidatos que despontavam no início, mas que não possuíam essas características.

Há que se levar em conta que Amazonas e Tocantins são eleitorados pequenos comparados ao resto do país e que as eleições regionais têm sempre características próprias. Mas o que ocorreu nesses estados bate com cenários desenhados por renomados especialistas em eleições que apontam que o país não viverá sua primeira eleição da refundação da República, mas a última do que ficou conhecido como Nova República (1985-????).


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.