Não há “proposta aceitável” para reprogramação de obras da BR-163/MT, diz secretária do Minfra

Dimmi Amora e Tales Silveira, da Agência iNFRA

A secretária de Fomento, Planejamento e Parcerias do Ministério da Infraestrutura, Natália Marcassa, afirmou que o governo nunca recebeu por parte das concessionárias de rodovias da 3ª Etapa uma proposta “aceitável” do ponto de vista legal para a reprogramação das obras dos contratos de concessão.

Segundo ela, não há como saber antecipadamente se haverá aumento do valor do pedágio em caso de relicitação dessas concessões e classificou como “exercício de futurologia” estudo apresentado pela consultoria GO Associados apontando que haveria aumentos de até 165% do valor do pedágio da BR-163/MT, se houver relicitação.

Isso porque, de acordo com a secretária, haveria a necessidade de saber quais são os parâmetros para os investimentos e outros fatores, além da expectativa de desconto no valor final do pedágio no momento do leilão.

No estudo, apresentado na edição da última quarta-feira (19) da Agência iNFRA, a consultoria aponta que haveria ganhos superiores na reprogramação das obras na relicitação e pede a realização de uma AIR (Análise de Impacto Regulatório) pela ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) para decidir sobre o que será feito.

Marcassa afirmou que nenhuma das concessionárias responsáveis pelas concessões da 3ª Etapa apresentou em algum momento uma proposta que previsse apenas a reprogramação das obras.

Fator D
Segundo ela, em todas as propostas, havia junto com a reprogramação a proposição de aplicação do chamado Fator D apenas no final do contrato e, em algumas, de maneira mais suave que a prevista em contrato.

O Fator D é o chamado desconto de reequilíbrio, previsto para reduzir a tarifa de pedágio quando há inexecução, especialmente das obras. Na prática, sem a redução do Fator D imediato, as empresas querem manter o valor do pedágio e fazer as obras depois.

Leia também:  Diretor-geral da ANTT diz que agência vai precisar de reforços para concessões

“O que adianta a gente aceitar algo que é inviável e depois não passar na Justiça, por órgãos de controle”, disse a secretária, que foi diretora da ANTT durante o período de elaboração dos estudos para essas concessões.

Segundo Marcassa, no caso específico da BR-163/MT, concessão da Odebrecht Transport, a última proposta previa ainda a inclusão de trechos que estavam sob responsabilidade do DNIT concluir (trevo de Cuiabá), o que não foi feito. Com a inclusão de trechos, o pedágio aumentaria.

“Fica difícil aceitar que uma empresa que não está fazendo as obras inclua novos trechos”, afirmou Marcassa.

Segundo a secretária, o governo já fez reprogramações de obras em concessões de transportes. Foi o caso de uma pista que era obrigatória no contrato de concessão do Aeroporto de Confins (MG), mas a obra mostrou-se desnecessária.

A concessionária, que tem a CCR como líder, fez a requisição de não realizar a obra no prazo previsto e aceitou pagar a mais por isso na outorga.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.