Modelo de parceria privada em Angra 3 prevê aporte de recursos da União, diz ministro

Leila Coimbra e Guilherme Mendes, da Agência iNFRA

O modelo mais adequado de parceria privada para a conclusão das obras da usina de Angra 3 prevê o aporte de recursos da União. A informação foi dada à Agência iNFRA pelo ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, em conversa recente.

“O BNDES acabou de terminar um [estudo de] modelo mais favorável para esta parceria com a Eletronuclear, para a finalização de Angra 3. Este modelo envolve algum aporte de recursos, para que seja atrativo. E isto está sendo discutido com a Economia [ministério], para que vejamos como isto será feito”, disse o ministro.

Segundo Albuquerque, o valor ainda não foi definido, mas será na casa de “bilhão de reais”. A operação envolve dinheiro do Tesouro, já que o governo federal é o acionista majoritário da Eletrobras, que por sua vez controla a Eletronuclear.

O almirante explicou que essa injeção de recursos pode ser feita dentro da operação de constituição de uma SPE (sociedade de propósito específico) para a construção de Angra 3, onde a União permaneceria com uma participação maior no capital do que os 51% anteriormente planejados.

“Isso não vai sair do bolso, mas de outras formas dentro do próprio processo, onde a própria União ficaria com maior participação na Eletronuclear. É mais uma questão de tornar o negócio favorável ao investidor, dar mais segurança ao investidor estrangeiro, que precisa ter garantia. Isso que apontou o BNDES neste estudo terminado há coisa de duas semanas. Agora, estamos trabalhando junto com a Economia para saber como isso será feito.”

Parque nuclear
A conclusão de Angra 3 é essencial para que o governo tenha uma política de geração de energia por fonte nuclear. O objetivo do governo é construir outras usinas no país nas próximas décadas – política que somente será viável com a parceria do capital privado.

Leia também:  Acionistas da Eletrobras evitam liquidação das distribuidoras, mas exigem fim dos prejuízos

Pela Constituição Federal, a União precisa ser a controladora das empresas de geração de energia nuclear, com participação mínima de 51% no capital. Mas os outros 49% serão abertos a sócios privados.

Já manifestaram interesse em entrar no mercado brasileiro as empresas Rosatom (Rússia), China National Nuclear Corporation (China), EDF (França) e Westinghouse (EUA).

Tarifas
O primeiro passo para viabilizar esse plano foi dado em 2018, quando o governo permitiu que a energia gerada por uma usina nuclear seja despachada a R$ 480 MWh (megawatt-hora), mais que o dobro do valor antes vigente.

A justificativa do governo foi de que a energia de Angra 3 ainda é mais barata do que as térmicas movidas a diesel que são acionadas nos períodos de escassez de energia hidrelétrica produzindo a cerca de R$ 700 o MWh.

TCU
Na semana passada, porém, o TCU (Tribunal de Contas da União) determinou que a União não poderá estabelecer o preço para a realização do leilão da energia de Angra 3 até que seja definido o modelo de negócio para eventual participação de sócio privado. A decisão ocorreu em processo relatado pelo ministro Walton Alencar Rodrigues, e foi referendada por unanimidade pelo colegiado.

O processo 036.751-2018-9, analisado pelo tribunal, tratava de uma auditoria sobre as ações tomadas pelo MME (Ministério de Minas e Energia) para a retomada das obras da usina de Angra 3. Em seu voto, o ministro Rodrigues não economizou nas críticas ao andamento do projeto.

“Ou empreendimentos em tais situações são indesejáveis e devem ser totalmente evitados pelo Poder Concedente, ou deve-se dispor de conjunto de mecanismos de incentivo e punição capazes de estimular efetivamente o cumprimento dos contratos firmados”, concluiu em seu voto. Durante a leitura em plenário, Rodrigues chegou a afirmar que a situação encontrada pela auditoria seria “de chorar”.

Leia também:  Diálogo duro marca encontro entre auditores do TCU e representantes de empresas de obras

No mesmo acórdão, o TCU também determinou que o poder público disponibilize com antecedência o edital para seleção de parceiro privado de Angra 3, além de recomendar à Secretaria Especial do Programa de Parcerias de Investimentos que realize consulta à sociedade e aos agentes do setor sobre as possibilidades de retomada ou de cancelamento da implantação de Angra 3.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.