Ministérios da Economia e de Minas e Energia foram contra anulação do acordo de Itaipu

Leila Coimbra e Lucas Santin, da Agência iNFRA

A anulação da ata assinada em 24 de maio por Brasil e Paraguai – revendo o acordo de comercialização da energia de Itaipu – foi autorizada pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. Mas teve a resistência dos ministérios da Economia e de Minas e Energia, que queriam que o Paraguai cumprisse o compromisso assumido. O embaixador do Brasil no Paraguai, Carlos Alberto Simas Magalhães, assinou a anulação na última quinta-feira (1º).

O acordo havia sido costurado pela secretária-executiva do MME (Ministério de Minas e Energia), Marisete Dadald, e também pelo presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Júnior, com o aval do Ministério da Economia, segundo apurou a Agência iNFRA.

Uma fonte contou que, no dia anterior à anulação do acordo, integrantes das duas pastas insistiram que o Brasil não deveria ceder, mas na manhã de quinta, Bolsonaro e Ernesto Araújo autorizaram a assinatura do documento.

Na ata agora anulada, a ANDE, estatal de energia do país vizinho, havia se comprometido a pagar mais pela energia de Itaipu. No Brasil, a Eletrobras é a responsável pela comercialização da energia da hidrelétrica binacional.

Negociação seria no dia 2
A reunião entre as autoridades brasileiras e paraguaias para definir os rumos da negociação estava prevista inicialmente para a sexta-feira (2), em Brasília. Mas, com o “ok” de Bolsonaro, o fim do acordo foi anunciado, em Assunção.

A cerimônia de anulação da ata foi transmitida por toda a mídia paraguaia, pois o objetivo do presidente Mario Abdo Benítez era acalmar os ânimos políticos que caminhavam para um pedido de impeachment. Depois do anúncio, a crise no país vizinho arrefeceu.

Após o evento, o ministro de Relações Exteriores paraguaio, Antonio Rivas Palacios, agradeceu ao Brasil por ter permitido a antecipação da assinatura do fim do contrato.

Leia também:  Senadores não querem venda de distribuidoras da Eletrobras e pressionam por saída do presidente da estatal

Bolsonaro: “É reservada a conversa”
Já o governo brasileiro teve uma postura oposta e se recusou a comentar o assunto publicamente.

Em entrevista coletiva na tarde da última quinta-feira, o presidente Jair Bolsonaro não falou sobre o assunto. Ao fim, quando os jornalistas pediram que o presidente comentasse o caso, ele apenas respondeu: “Paraguai é negociação. É reservada a conversa”.

A questão está sendo reavaliada porque o acordo poderia acarretar aumentos no preço da energia comprada por aquele país. Bolsonaro reafirmou as boas intenções do Brasil no acordo. “Queremos um bom acordo com o Paraguai. Estamos trabalhando nesse sentido.”

Já o ministro Ernesto Araújo, quando chamado por jornalistas para falar sobre o acordo, apenas sorriu e acenou. Por nota, o MRE (Ministério das Relações Exteriores) disse que “a denúncia de acordos internacionais é uma faculdade inerente dos Estados soberanos em suas relações internacionais” e reforçou a afinidade entre os países.

A anulação
A chancelaria paraguaia divulgou a decisão em sua conta no Twitter. “A decisão foi formalizada com a assinatura de um ato bilateral, no marco da reunião das altas partes contratantes, originalmente prevista para amanhã [dia 2], em Brasília, mas que, pelo gesto das autoridades do país vizinho, foi adiantado e levado adiante nesta manhã [dia 1º] em Assunção”, disse o MRE do Paraguai, por nota.

O ministro das Relações Exteriores do país, Antonio Rivas Palacios, disse na nota divulgada que não se trata de anular a decisão, mas deixá-la sem efeito. Explicou que foi uma decisão “unilateral e soberana de deixar sem efeito” a ata assinada em maio.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.