Ministério da Economia diz que subsídio à energia solar daria para construir 9 mil creches

Leila Coimbra, da Agência iNFRA

O Ministério da Economia lançou na segunda-feira (21) um material institucional contra os subsídios à energia produzida por painéis solares de pequeno porte – ou MMGD (Micro e Mini Geração Distribuída). Leia aqui o material na íntegra. Em abril, o ministério já havia feito uma nota técnica semelhante.

A equipe econômica do governo entrou na briga depois que a ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) propôs, na semana passada, mudanças nas regras de GD (geração distribuída) na resolução normativa 482, sob o argumento de que custariam ao consumidor cativo cerca de R$ 34 bilhões.

Houve então uma reação pública contrária à decisão da agência reguladora, inclusive da mídia, sob o argumento de que estariam “taxando o sol” e trazendo um retrocesso ao país.

Sob o comando da Absolar (Associação Brasileira de Energia Solar), houve um trabalho de comunicação bem feito, onde foram enaltecidos na imprensa os pontos favoráveis da GD como a postergação de investimentos em transmissão e distribuição, a diversificação da matriz elétrica e a redução de emissões de gases de efeito estufa e poluentes.

“Nove mil creches ou 180 mil ambulâncias”
Mas, em um contra-ataque agressivo, o material do Ministério da Economia lançado nesta segunda diz diretamente que o cidadão brasileiro subsidia, de uma forma ou outra, a micro e mini geração distribuída com dinheiro que poderia ser utilizado em benefícios à população.

“O sistema de compensação atualmente em vigor para a MMGD custaria ao sistema elétrico mais de R$ 56 bilhões entre 2020 e 2035. Em valor presente, seria equivalente a R$ 34 bilhões – suficiente para construir mais de 9 mil creches, ou comprar 180 mil ambulâncias. Independente de quem pagará essa conta (se o usuário de energia elétrica ou o pagador de impostos), isso é dinheiro que está sendo consumido do bolso do cidadão brasileiro”, diz o texto do ministério.

Leia também:  Distribuidoras terão direito a reequilíbrio econômico dos contratos, afirma Pepitone

O material explica que, como a energia solar é produzida somente durante o dia, durante a noite, ou em dias nublados e de chuva, esse mini gerador usa a rede da concessionária e os outros consumidores pagam por isso.

A apresentação, de 16 páginas, traz uma imagem de uma casa de alto padrão, com um painel solar – em contraste com várias casas de uma comunidade de baixa renda, onde os moradores não têm nem espaço nem dinheiro para esse tipo de empreendimento.

O material foi elaborado em conjunto pelas secretarias de Desenvolvimento da Infraestrutura – comandada por Diogo Mac Cord – e de Produtividade, Emprego e Competitividade – capitaneada por Carlos da Costa.

Perguntas e respostas
Em uma parte com perguntas e respostas, o documento diz que é falso o argumento de que a mudança na resolução 482 impedirá o avanço da GD no país, citando como exemplo o leilão A-6 que ocorreu na última sexta-feira (18), em que foram contratados 530 MW de energia solar a um preço médio de R$ 85 o MWh.

“Assim, o que está em jogo não é a fonte solar, e sim a manutenção dos privilégios de um determinado segmento da fonte solar”, diz o texto.

Sobre a questão “Estão querendo taxar o sol”, a apresentação responde: “Esta frase de efeito, cunhada por aqueles que perderão os R$ 34 bilhões em subsídios, esconde que, na verdade, as alterações reduzem os encargos, e não aumentam. A diferença é que reduz o encargo que o cidadão comum pagaria, e que seria transferido a este grupo de interesse, que, agora, luta para mantê-lo”.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.