Mercado de contêineres na Costa Leste da América do Sul tem previsão de crescer 6,5% ao ano


Dimmi Amora*, da Agência iNFRA

Relatório da Datamar, consultoria da área do setor portuário, prevê que o volume de contêineres transportado na Costa Leste da América do Sul vai crescer 6,5% ao ano nos próximos cinco anos, ganhando mais 4 milhões de contêineres no período em relação aos números transportados em 2018, 10 milhões de unidades.

O número não considera o crescimento do setor de feeder (transporte de contêineres entre um porto e outro dentro do país antes do desalfandegamento). O anúncio foi feito durante a Intermodal South América/NT Expo, feiras realizadas na semana passada em São Paulo.

O trabalho ouviu 28 empresas operadoras de terminais portuários no Brasil, na Argentina e no Uruguai – tratando das perspectivas de investimentos em cada região, tanto nos terminais como na infraestrutura de recepção, além de analisar os dados do setor nos últimos 20 anos.

De acordo com o trabalho, somente o Porto de Santos (SP) vai operar um milhão de contêineres a mais no período. Mas não será onde haverá o maior crescimento percentual, o que está projetado para os portos na região Norte do país, de acordo com Andrew Lorimer, diretor da Datamar.

Segundo o diretor, além do crescimento natural, os diretores das empresas também apostam que podem ganhar mercado na conteinerização de cargas que hoje são levadas de outras formas.

De acordo com o trabalho, os terminais hoje da região estão com alta ociosidade, operando com apenas 56,6% da capacidade. A expectativa é que esse percentual aumente no fim do período para algo próximo a 65%.

Os governos, contudo, vão precisar fazer investimentos para receber navios de maior porte. Segundo Lorimer, o maior navio a operar na região é de 11 mil teus e a previsão é que isso passe a navios de até 14 mil teus.

Leia também:  iNFRADebate: A saga do setor portuário privado

Segundo Lorimer, o Brasil terá vantagem para receber esse tipo de navio se conseguir fazer os investimentos adequados, principalmente em Santos (SP). Segundo ele, há dificuldades operacionais relatadas para se conseguir fazer com que o calado dos portos argentinos e uruguaios se adaptem ao tamanho desses navios.

*O jornalista viajou a convite da Intermodal South América/NT Expo.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.