Medida Provisória prevê 50% dos recursos da venda de Tucuruí para diminuir impacto tarifário

Leila Coimbra, da Agência iNFRA

O texto da MP (medida provisória) 814, da Eletrobras, apresentado ontem (25) pelo relator da proposta, deputado Júlio Lopes (PP-RJ), prevê que 50% do valor da venda da concessão de Tucuruí seja destinado para abater o aumento tarifário causado por outras medidas estabelecidas na mesma MP.

Segundo o relator, recursos da outorga de outras usinas da Eletrobras, cuja concessão vence até 2025, poderiam ser utilizados com esta finalidade. Metade do valor da venda iria para a CDE (Conta de Desenvolvimento Energético), que, por sua vez, seria utilizado para abater parte dos custos repassados para as tarifas.

Reunião complicada
A leitura do relatório da MP 814 ontem no Senado foi em uma sessão tumultuada, na qual a oposição atuou para impedir que a proposta fosse aprovada. Parte do governo também não era favorável ao texto do relator, que repassava vários custos para o consumidor, trazendo uma explosão das tarifas de eletricidade em ano eleitoral.

O presidente da comissão, senador Eduardo Braga (MDB-AM), fechou acordo com os integrantes do grupo de análise da MP e remarcou para o dia 8 de maio a votação do relatório do deputado.

Segundo Júlio Lopes, cerca de 40% do conteúdo das 158 emendas apresentadas ao texto original foram acatados. Mas, ainda assim, o texto original, que continha apenas três artigos, agora tem 26 artigos e um total de 30 páginas. Alguns itens não deverão ser aprovados no Legislativo e outra parte poderá ser vetada pela Presidência da República.

Decreto do Luz Para Todos
A saída política encontrada pelo senador Eduardo Braga trouxe um certo alívio para o governo articular melhor o texto da MP 814. Ontem o presidente da comissão recebeu do governo sua contrapartida pela atuação: Moreira Franco, ministro de Minas e Energia, mandou para a Casa Civil um decreto prorrogando o programa Luz Para Todos, um dos pleitos de Braga, por mais quatro anos – do fim de 2018 para dezembro de 202

Leia também:  Solução para o GSF em 2020 é real e agentes estão preparados para o pagamento, diz CCEE

Para compensar outras medidas
O uso do dinheiro de Tucuruí para a modicidade tarifária surpreendeu até quem tinha conhecimento prévio do texto elaborado pelo relator. A medida veio numa tentativa de amenizar medidas incluídas na medida provisória que irão representar uma alta vertiginosa nas tarifas.

O relatório lido ontem prevê o aumento da energia nuclear de Angra 3, para viabilizar o término da usina; aumento do gás natural para a Petrobras normalizar o fornecimento para as usinas da Eletrobras; e ainda a criação de fundos para subsidiar empregos das distribuidoras da estatal e também a construção de gasodutos.

Tarifa social maior
Foi apresentado pelo relator a ampliação da tarifa social, programa destinado a famílias de baixa renda, que concede descontos na conta de luz que variam de acordo com o consumo. A tarifa social, como outros subsídios do setor elétrico concedidos pelo governo, é bancada pelos consumidores por meio da conta de luz.

A proposta do Júlio Lopes é que a faixa de gratuidade vá até 80 quilowatts-hora por mês para todas as famílias que se encaixam no programa. Ou seja, caso a família consuma energia até esse montante, a conta de luz será zerada.

Inclusão da Eletrobras no Programa Nacional de Desestatização
Júlio Lopes retirou da MP 814 o artigo que permitia ao governo incluir a Eletrobras no Programa Nacional de Desestatização (PND). Na semana passada, o presidente Michel Temer publicou decreto que permite essa inclusão – passo necessário para a contratação dos estudos para a privatização – desde que o Congresso aprove o projeto de privatização da estatal.

Risco hidrológico
O relatório também traz os termos de um acordo para acabar com uma disputa bilionária em torno do GSF (sigla em inglês para risco hidrológico). O projeto permite estender por até sete anos as concessões de usinas que decidam aderir a proposta e desistam das ações na Justiça.

Leia também:  Partidos indicam parlamentares que irão analisar MPs do setor elétrico

Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.