Leilão de linhas de transmissão tem o maior deságio médio da história, de 60,3%

Lucas Santin, da Agência iNFRA

O leilão de linhas de transmissão de energia realizado na última quinta-feira (19) teve deságio médio de 60,3%. Foi o maior índice registrado em leilões da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) no segmento. Foram vendidos 12 lotes, com 2.470 km de linhas e expectativa de investimentos em cerca de R$ 4,2 bilhões. Leia aqui a tabela completa.

A empresa CTEEP (Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista), controlada pelo grupo colombiano ISA, foi a maior vencedora, arrematando três lotes. Também foi da CTEEP o maior deságio: no lote 6, de 68,12% e RAP (Receita Anual Permitida) de R$ 5,31 milhões, para uma linha entre os estados de Mato Grosso do Sul e São Paulo.

O grupo colombiano também adquiriu o lote 1, de empreendimentos no Rio Grande do Sul, com RAP de R$ 37,74 milhões, isto é, 66,85% menor que o teto estabelecido; e o lote 7, em Minas Gerais, com deságio de 65,40% e receita de R$ 32,88 milhões.

O consórcio VSF Transmissoras também se destacou: comprou dois lotes. Ao arrematar o lote 5, com empreendimentos em Mato Grosso e no Pará, o deságio proposto foi de 62,51% e a RAP, R$ 38 milhões. No lote 12, composto por estruturas de transmissão na Bahia, o deságio foi de 59,62%, com receita de R$ 12,20 milhões. O último lote do leilão foi o mais disputado, com 22 lances e metade deles em viva voz.

A empresa Neoenergia, vencedora do lote 9, ofereceu deságio de 64,04%. O lance vencedor dos empreendimentos, em Goiás e na Bahia, foi de R$ 18 milhões. Outro lote em solo baiano, o décimo do leilão, foi arrematado pela Barolo Participações com deságio de 58,35%. A RAP oferecida foi de R$ 37,06 milhões.

Leia também:  Hélvio Guerra assume o favoritismo para a última vaga na diretoria da ANEEL

O lote 2 do certame foi arrematado pela Montagno Construtora. Esta ofereceu uma RAP de R$ 5,38 milhões, valor 56,73% menor que o teto, para obras na Bahia. A terceira área leiloada, com instalações no Rio de Janeiro e em Minas Gerais, foi adquirida pela Zopone Engenharia. Aqui, o deságio foi de 53,5% e a RAP, R$ 30,21 milhões.

O consórcio Norte arrematou o lote 11, de empreendimentos no Acre. A receita oferecida foi de R$ 58,1 milhões, que representa diferença de 52,85% para o valor máximo. O menor deságio do leilão foi de 50,93%, no lote 4. Estas obras, no estado de Alagoas, serão feitas pelo consórcio Nordeste, com RAP de R$ 2,88 milhões.

Leilão “extremamente exitoso”
O diretor-geral da ANEEL, André Pepitone, disse que o leilão foi “extremamente exitoso”. Ele destacou a grande concorrência nos lotes e os altos níveis de deságio, alegando que isso vai ajudar na queda das tarifas.

O diretor Rodrigo Limp, relator do processo sobre o leilão na agência, lembrou que o lote 11 interligará o município acreano Cruzeiro do Sul ao sistema nacional, possibilitando o desligamento de térmicas a diesel.

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, também comemorou o leilão. O saldo positivo do ano, afirmou, foi materializado pelo resultado obtido. “Era aquilo que se pretendia alcançar, e alcançamos”, disse Bento.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.