Infraero manterá investimentos até concessão de todos os aeroportos

Dimmi Amora, da Agência iNFRA

A presidente da Infraero, Martha Seillier, afirmou que a estatal pretende manter sua programação de investimentos nos aeroportos que serão concedidos a partir de 2020. Isso inclui obras de melhorias nos terminais de passageiros de Foz do Iguaçu (PR), Navegantes (SC) e Campo Grande (MS).

Segundo ela, todas a intervenções necessárias para a segurança das 44 unidades que vão ser gerenciadas pela Infraero após a concessão dos aeroportos prevista para este ano também serão feitas até a entrega das unidades.

O que a estatal deixará de fazer serão investimentos classificados como estratégicos, ou seja, aqueles que seriam necessários para ampliar capacidade de aeroportos para o futuro. No caso dos três terminais de passageiros, a capacidade hoje já está considerada abaixo do nível de conforto.

“Não vamos deixar de dar qualidade ao usuário porque a unidade vai ser concedida. Os investimentos do novo concessionário podem demorar dois a três anos”, disse Seillier em entrevista à Agência iNFRA.

Há duas semanas, houve reuniões entre a presidente e representantes do governo para trabalhar o plano de investimentos da empresa para esse período. A ideia é que, com a concessão em blocos, divididas em duas etapas, a empresa mantenha sua sustentabilidade financeira.

Segundo Seillier, os aeroportos mais rentáveis da empresa – Congonhas (SP) e Santos Dumont (RJ) – serão concedidos por último para que seja possível manter a empresa sustentável.

“Na medida que concedemos aeroportos de menor rentabilidade e ficamos com os de maior, a empresa vai ter uma melhora”, afirmou a presidente.

Segundo ela, outras medidas administrativas estão sendo realizadas para enxugar os quadros da empresa, como programas de demissão incentivada e a implementação da Empresa de Navegação Aérea, a NAV Brasil, que vai levar 2 mil servidores.

Leia também:  TCU tende a rever restrição de voos na Pampulha (MG)

De acordo com a presidente, haverá um cuidado com os 9 mil servidores da empresa, que terão opções para deixar a companhia seja por incentivo a sair ou para entrar em outros órgãos públicos, como o INSS que está tratando formas de levar servidores para o órgão.

“Vamos fazer esse trabalho com toda a responsabilidade”, prometeu a presidente.

Serviços podem continuar
Além disso, Martha Seillier afirmou que a ideia neste período de transição, em que está decidido que a Infraero deixará de ser uma operadora de aeroportos do governo, é de que sejam analisadas oportunidades de negócios para permanecer fazendo serviços altamente especializados, até mesmo com a criação de subsidiárias.

“O foco da companhia, agora, será a prestação de serviços”, disse a presidente, que é a primeira mulher a presidir a companhia.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.