INFRADebate: Investimentos rumo ao Norte

*Murillo Barbosa

Os rios brasileiros cortam importantes pontos do país e precisam ser uma alternativa cada vez mais viável na rota logística do transporte de cargas e no escoamento da produção nacional. Além de menos poluentes, as embarcações têm custo 90% mais barato que outros tipos de transportes.

Na região norte do Brasil, na rota do Arco Norte, embarcações conseguem atravessar os estados do Amazonas, Rondônia, Pará, Manaus e Amapá e transportam grãos que chegam a importantes terminais portuários. Segundo o Ministério dos Transportes, em 2017, mais de 50 milhões de toneladas foram movimentadas em toda a região, um aumento impactante que superou 80% de crescimento em relação a 2016.

Não longe dali, a Barra Norte do Rio Amazonas é utilizada como rota de saída para a navegação marítima. A soja e o milho seguem para o mercado externo, tendo como principais destinos a Ásia e a Europa. Ao longo dessa passagem, há pontos que limitam a navegação à profundidade de 11,50m o que impede que as embarcações trafeguem com sua capacidade total de carga, impactando no aumento de custos e riscos logísticos para o setor.

Na busca por uma solução para essas limitações, há dois anos a Associação dos Terminais Portuários Privados (ATP) atua à frente do Projeto Barra Norte, que visa conseguir permissão para ampliação do calado – que corresponde à altura da parte do casco que fica submersa – nos navios que passam pela região da Barra Norte do Rio Amazonas.

O projeto tem como base um estudo acadêmico, elaborado pela Professora Dra. Susana Vinzon, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A partir do embasamento técnico, a expectativa do projeto é que com a ampliação de apenas 20 cm do calado, cada navio possa transportar 1.800 toneladas a mais do que é comercializado hoje. O aumento da profundidade previsto poderá ultrapassar um metro, além de melhorar a segurança da navegação.

Leia também:  iNFRADebate: A saga do setor portuário privado

Apresentado aos órgãos executores do setor de transporte e logística, o projeto ganhou apoio do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil (MTPA) e teve convênio firmado com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) e a Marinha do Brasil para a disponibilização de recursos para a sua implementação.

Em julho deste ano, a Marinha autorizou os primeiros testes de navegação na região do Canal do Curuá, onde o calado foi ampliado de 11,50 metros para 11,70 metros – o que permite que os navios do tipo Panamax possam carregar mais 1.800 toneladas de grãos. Além da diminuição de custos logísticos e da otimização das operações de escoamento de grãos e minério na região, a medida traz uma discussão fundamental para melhorias de segurança da navegação na região, fomentando investimentos, aumentando a competitividade dos terminais e proporcionando desenvolvimento econômico e social nos níveis local e regional.

Somados a essas expectativas, os resultados alcançados no ano passado comprovam a necessidade urgente de ampliação do calado no Barra Norte. Para se ter uma ideia, as associadas da ATP dão prova da capacidade dos terminais da região. No Pará, a Hidrovias do Brasil foi destaque no segmento portuário privado na região. No mesmo estado, o Terminal Vila do Conde registrou crescimento de 92%, resultado cinco vezes maior do que em 2016. Já os terminais graneleiros Hermasa, Porto Chuelo (Amaggi) e Fronteira Norte (Bunge) registraram aumento no escoamento de cargas de 32%, 48% e 56%, respectivamente. No Amazonas, o Grupo Chibatão movimentou 63% a mais no período. Dados como esses apontam o quanto a eficiência na operação dos portos privados ainda pode crescer.

Por isso, esse é um passo extraordinário para o avanço e a concretização do Barra Norte. Com a participação dos profissionais da Zona de Praticagem (ZP) 1, que fica entre as cidades de Fazendinha (AP) e Itacoatiara (AM), será possível realizar manobras experimentais pelo Canal do Curuá e pela zona do arco lamoso, como previsto pela Marinha.

Leia também:  Governo quer trabalhar em desburocratização e simplificação de contratos portuários

Acreditamos que com a habilidade e o conhecimento dos práticos da região haverá ainda mais contribuições para concretizar o projeto defendido pela ATP. Assim, fortaleceremos a saída de escoamento de produção pelo Norte, comprovando a vocação da região para o desenvolvimento do país.

* Murillo Barbosa é presidente da Associação de ATP (Terminais Portuários Privados)

Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.