Impasse sobre cessão onerosa pode atrasar solução para o GSF no Congresso

 

Leila Coimbra, da Agência iNFRA

A aprovação do PL 10.985/18, que trata da solução para o GSF (sigla em inglês para o risco hidrológico), pode não ocorrer ainda neste ano, como esperado pelo setor elétrico. A falta de acordo entre o Ministério da Fazenda, o Congresso Nacional e o futuro governo em torno da divisão dos recursos do pré-sal é o motivo do imbróglio.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), fez acordo junto aos líderes dos partidos de pautar o PL 10.985 (antigo PLS 209 na Câmara), na sessão desta terça-feira (4). O projeto já teve o requerimento de urgência aprovado pelo plenário e pode pular a etapa das comissões.

Emendas ao fundo do pré-sal
O problema para o setor elétrico, que tem interesse no GSF, é a parte do projeto que trata do fundo social do pré-sal para financiar a construção de gasodutos, o Brasduto. As bancadas dos estados querem modificar o texto, com emendas que permitam a divisão do dinheiro do pré-sal entre estados e municípios.

Governadores querem a divisão
Os governadores enxergam no PL 10.985 uma possibilidade de receber os recursos do leilão dos excedentes de petróleo da cessão onerosa. A expectativa é a de que a arrecadação da União com o leilão da cessão onerosa possa ultrapassar R$ 100 bilhões, dos quais 20% poderiam ser destinados a estados e municípios.

Essa divisão seria feita por meio do fundo social do Brasduto, com mudanças no PL 10.985, e não do dinheiro do bônus de assinatura do leilão, como prevê o PL 78, que tramita no Senado. Um comboio de governadores e prefeitos, promete vir à Brasília nesta semana para pressionar suas bancadas na Câmara a votar pela divisão dos recursos bilionários.

Três semanas de trabalhos no Legislativo
Se o PL 10.985 for modificado na Câmara, como querem os governadores, terá que retornar ao Senado, e assim dificilmente seria novamente aprovado pelos senadores a tempo de ir para a sanção presidencial ainda neste ano.

Faltam apenas mais três semanas de votações no Congresso até o recesso do fim do ano. Uma nova negociação teria que recomeçar em 2019 com a futura composição da Câmara e do Senado.

PL 78
Os senadores também irão tentar a votação do projeto de lei 78/18, que trata das regras do leilão dos excedentes de petróleo da cessão onerosa, amanhã (4). Mas há o impasse político em torno da questão.

O Ministério da Fazenda, Eduardo Guardia, indicou que o repasse de recursos a estados e municípios extrapola o teto dos gastos públicos, que limita as despesas de um ano ao gasto do ano anterior, acrescido da inflação.

Medida provisória
Está em negociação também a edição de uma provisória para garantir a distribuição de recursos da cessão onerosa com estados e municípios. Mas o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse na semana passada que a edição de uma MP para tratar dessa questão seria inconstitucional.

Diante do impasse no Senado e com a impossibilidade da edição da medida provisória, a emenda no PL 10.985, que trata do Brasduto e do GSF, passou a ser a alternativa mais viável aos governadores.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.