Impacto financeiro do GSF é de R$ 11 bilhões, informa o Ministério de Minas e Energia ao Senado

Leila Coimbra, da Agência iNFRA

O MME (Ministério de Minas e Energia) informou à CI (Comissão de Infraestrutura) do Senado que o impacto financeiro do GSF (risco hidrológico) no setor elétrico é de R$ 11,05 bilhões, em valores atualizados pelo IPCA até julho de 2019.

O montante consta na nota técnica 27/2019, elaborada pela Assessoria Especial de Assuntos Econômicos da pasta, em resposta ao pedido de informações apresentado pelo presidente da CI, senador Marcos Rogério (DEM-RO). Leia aqui o documento na íntegra.

Prorrogação em 2,5 anos
Com base na dívida de R$ 11,05 bilhões, haveria a ampliação dos prazos de concessão das usinas dos geradores em 2,5 anos, em média, informa o documento.

Os R$ 11,05 bilhões seriam divididos da seguinte forma: 1) R$ 4,77 bilhões por deslocamento hidráulico (razões elétricas e energéticas); 2) R$ 4,24 bilhões por antecipação de garantia física; e 3) R$ 2,04 bilhões por atrasos de transmissão.

Diferença entre os valores
O valor informado pelo MME é R$ 3,6 bilhões maior que os R$ 7,45 bilhões fruto da inadimplência do mercado de curto prazo, cuja liquidação financeira é feita pela CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica).

A diferença, segundo explicaram fontes do setor, deve-se à data de retroatividade do PL 10.985/18, aprovado pela Câmara dos Deputados (PL 3.975 no Senado), para a compensação aos geradores: desde 1º de janeiro de 2013, enquanto a inadimplência no mercado livre da CCEE começou apenas em 2015.

Em 2015 houve uma repactuação do risco hidrológico feita para o mercado regulado por meio da MP (medida provisória) 688, transformada na Lei 13.203, mas sem a adesão do mercado livre.

Leia também:  Nordeste terá em fevereiro apenas 18% de chuvas da média histórica

Marcos Rogério: “É preciso cuidado”
O senador Marcos Rogério, autor do pedido de informações ao MME, disse que “é preciso cuidado ao analisar o risco hidrológico, para que isso não impacte, lá na frente, no consumidor”.

Rogério chegou a discutir com o também senador Eduardo Braga (MDB-AM), na sessão da CAE (Comissão de Assuntos Econômicos) que trataria do relatório do projeto do GSF (PL 3.975/19), no último dia 17 de setembro, sobre a possibilidade de impacto do texto no consumidor cativo. Na data, não foi votado o PL, e um pedido de vista coletivo foi concedido.

Braga argumentou na ocasião que o PL 3.975, “ao contrário do que afirmou o senador [Marcos Rogério], vem exatamente resolver um problema econômico-financeiro que penaliza o consumidor de alta tensão”.

MME: impacto nulo
Segundo a nota técnica do MME, “será nulo o impacto para o consumidor cativo, caso haja resolução por meio do PL, haja vista que não haverá qualquer tipo de repasse ou aumento tarifário com a medida”.

O ministério completa: “Com essa medida haverá somente uma extensão do prazo da outorga das usinas hidrelétricas impactadas pelos efeitos do risco hidrológico, que a Lei 13.203/2015 já o fez para o Ambiente de Contratação Regulada (ACR)”.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.